Parreira define time e espera Ronaldo

Embora o técnico Carlos Alberto Parreira não anuncie a escalação do Brasil, para enfrentar a Venezuela, no sábado, em Maracaibo, a equipe titular só depende da confirmação cada vez mais provável de Ronaldo para ser definida. No minicoletivo realizado nesta quarta-feira à tarde, sob chuva intensa e frio de 11 graus na cidade serrana de Teresópolis, o zagueiro Juan e o meia Kaká garantiram presença no time."O Juan foi muito bem na Copa América e nos últimos jogos. Gosto do Lúcio, mas pesa também o entrosamento", justificou Parreira, referindo-se ao fato de Juan e Roque Júnior, o outro titular da seleção, jogarem juntos no Bayer Leverkusen, da Alemanha.No ataque, com Kaká e Ronaldinho Gaúcho entre os titulares, sobrou para Adriano a vaga de Ronaldo - obrigado a fazer um trabalho à parte, em outro campo. Na manhã desta quinta-feira, Ronaldo participa do treino coletivo. Será o teste final. Se sentir alguma dor na coxa direita, onde sofreu contratura muscular, vai ceder seu lugar a Adriano.No minicoletivo desta quarta-feira, com espaço reduzido de campo, os reservas venceram os titulares por 3 a 2. Ronaldinho Gaúcho e Juninho Pernambucano marcaram para o time principal, enquanto Edu, Luís Fabiano e um júnior do Flamengo, Lima, descontaram.Por causa do frio, Parreira não quis estender o treino e disse que ficou satisfeito com o rendimento dos atletas. "Mostraram boa velocidade. A minha preocupação era com o ritmo, com a pegada, a retomada de bola. E nisso, o trabalho foi correspondido", avaliou.De acordo com o técnico brasileiro, o futebol da Venezuela evoluiu bastante recentemente, mas não a ponto de servir como alerta ao Brasil. "Não ameaça a nossa supremacia. Não existe medo. Mas também não é a moleza que era há 10 anos", revelou Parreira. Viagem - A seleção segue nesta quinta-feira, às 14 horas, para Maracaibo, em vôo fretado pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF). Na cidade litorânea da Venezuela, local do jogo de sábado, a equipe treinará apenas uma vez, na véspera da partida.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.