Parreira deve manter Juninho no time

Contrariando a expectativa da torcida, o técnico Carlos Alberto Parreira agora acena com a possibilidade de manter Juninho Pernambucano no time titular e deixar Robinho no banco de reservas no jogo contra o Peru, domingo, em Goiânia. Nesta quinta-feira, foram dois treinos coletivos e em ambos o volante do Lyon começou como titular. No treinamento da manhã, Robinho chegou a entrar no fim. No da tarde, nem isso. Parreira, porém, não quis confirmar a escalação de Juninho.Disse que ainda está em dúvida e que testará Robinho mais uma vez no treino desta sexta-feira. Afirmou também que só vai divulgar o time minutos antes do jogo, em Goiânia. O técnico não quer dar armas ao adversário. "Não nos preocupa quem vai começar jogando. Essa é uma preocupação de vocês (jornalistas), porque, para nós, independentemente de quem for jogar, a filosofia será a mesma: temos que vencer", disse Parreira, que completou: "Eu até iria testar o Robinho no time durante o treino da tarde, mas baixou um russo (neblina) e, em seguida, o Magrão se machucou. Não tinha sentido testá-lo contra um time que estava com dez jogadores".Segundo o médico da Seleção, José Luiz Runco, o volante palmeirense sofreu uma lesão na coxa direita e será avaliado nesta sexta-feira. Se a contusão for grave, Magrão será cortado. Nesse caso, Parreira não chamará outro jogador."Quarteto fantástico" - Foi pouco, muito pouco. Mas os oito minutos em que o atacante santista atuou como titular, durante o treino da manhã, deixaram evidente a falta de entrosamento do "quarteto fantástico": Robinho, Kaká e os dois Ronaldos. Em nenhum momento houve uma troca de pelo menos três passes certos entre esses quatro jogadores. Kaká e Robinho eram os que mais buscavam jogo, Ronaldinho Gaúcho também se apresentava, mas o Fenômeno foi um fiasco. Nesses oito minutos, sequer tocou na bola. Limitou-se a andar de um lado para o outro, tentando, sem sucesso, se desvencilhar da marcação dos zagueiros Cris e Luisão.Com a entrada de Robinho, outra alteração tática na equipe foi na marcação, que ficou mais frouxa. Com Juninho Pernambucano, Parreira ensaiava uma blitz, pedindo a seus jogadores que marcassem sob pressão o time adversário em sua saída de bola. "Não deixa sair" e "Não deixa pensar" eram os gritos mais usados por Parreira durante a primeira parte do treino. O time titular venceu por 2 a 0, com gols de Emerson e Cris (contra).No treino da tarde, Ronaldo melhorou bastante, assim como todo o resto da equipe. O Fenômeno se movimentou mais e arriscou quatro chutes a gol. Em dois, parou em Marcos. Nos outros dois, bateu para fora. Sua melhor jogada aconteceu aos 37 minutos, quando "pedalou" para cima do lateral Maicon e foi derrubado na área. Ronaldinho Gaúcho cobrou o pênalti e Marcos defendeu. No rebote, mesmo com o goleiro caído, o Fenômeno chutou para fora.Ajustes - Parreira gostou do rendimento do atacante, e da atuação da equipe no geral, principalmente nos 10 primeiros minutos do coletivo. Foi quando o time titular abriu 2 a 0, com gols de Kaká e Ronaldinho Gaúcho. "Depois houve uma pequena queda. Ainda há alguns ajustes que precisamos fazer", disse Parreira. Roberto Carlos, de falta, ainda marcou o terceiro gol dos titulares, já aos 41 minutos de treino. Robinho negou estar triste por ter treinado no time reserva. "Não tenho porque ficar triste. Só de ter uma oportunidade no grupo da Seleção já fico muito feliz".Já Juninho Pernambucano tratou de conter a euforia. Ele admitiu que deve sofrer pressão da torcida se for realmente mantido no time titular, mas se disse preparado para isso. "O Robinho é o maior ídolo em atividade no Brasil e deve haver uma pressão muito grande em cima de mim. Mas acho que consigo levar isso bem, tomara que não me afete".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.