Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Parreira diz que Brasil ainda é favorito à Copa do Mundo

Técnico confia na qualidade técnica da seleção brasileira, mas aponta outras seleções, como a Espanha

EFE

24 de setembro de 2008 | 13h43

O técnico Carlos Alberto Parreira afirmou que o Brasil ainda faz parte do grupo de equipes favoritas ao título da Copa do Mundo de 2010, na África do Sul. Dê seu palpite no Bolão Vip do LimãoO treinador da seleção campeã mundial em 1994 disse que o futebol não mudou e, mesmo com a campanha irregular nas Eliminatórias, a equipe pode faturar o hexa.As declarações foram concedidas no evento organizado pela Uefa em Viena (Áustria), que reuniu treinadores de vários países. Parreira deu uma palestra sobre "como ganhar a Copa do Mundo". "Para mim, nada mudou nos últimos 20 anos. Brasil, Argentina, Itália, Alemanha e Espanha são os favoritos", disse o técnico.O ex-treinador do Fluminense também ressaltou o bom momento da Espanha, campeã européia em 2008. "Depois desta Eurocopa, a Espanha está entre os favoritos. Teve uma grande trajetória antes da Eurocopa. Agora eles têm a confiança, da qual [o ex-técnico da seleção espanhola] Luis Aragonés falou aqui. Eles agora têm a confiança de que podem chegar muito mais longe... Mas precisamos ver como lidam com a pressão de ser favoritos", disse.Já na sua palestra, Parreira afirmou que "não existe fórmula para vencer uma Copa". "Todos os técnicos campeões seguiram princípios básicos. Você precisa ter uma filosofia. Não se chega a lugar nenhum quando se muda o esquema muitas vezes", disse.O treinador também ressaltou a "necessidade de se vencer fora do campo", com planejamento, preparação física e infra-estrutura. "Você tem um time quando as pessoas têm os mesmos objetivos e princípios", afirmou.O técnico que comandou o Brasil na Copa de 2006, na Alemanha, também disse que é preciso manter a calma durante situações delicadas do jogo e em momentos de pressão. "Se você perde a calma, não consegue tomar as decisões certas e não poderá se concentrar", concluiu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.