Parreira diz que Zidane não merecia marcação especial

Mesmo sendo escolhido pela Fifa como o melhor jogador em campo, o meio-campo Zinedine Zidane esteve bem marcado e não foi decisivo para a vitória da França sobre o Brasil, por 1 a 0, neste sábado, em Frankfurt. A análise é do técnico brasileiro Carlos Alberto Parreira. "Zidane é um dos grandes jogadores do futebol mundial deste século. Jogou muito bem, mas não houve preocupação de uma marcação individual. Ele foi bem marcado e não acho que tenha sido decisivo, já que o gol saiu de uma jogada de bola parada", disse o treinador. Para Parreira, a seleção brasileira estava preparada para o talento de Zidane e para neutralizar o jogador usando marcação por zona, dependendo do lado por onde ele viesse. "Tínhamos o Zé Roberto e o Juninho para vigiar o Zidane, quando ele caía pelas costas dos laterais. Existia esta preocupação. Ele percebeu e se mexeu bem e com isso dificultou bastante as coisas para nós. Ele é um grande jogador", analisou Parreira. Segundo o treinador, o Brasil estava preparado para as jogadas aéreas da França, principalmente entre Zidane e Thierry Henry. "Eles tentaram bastante esta jogada. Foram uns dez cruzamentos para Henry. Falamos muito sobre isso. Zidane é um especialista e cometemos um erro de marcação em uma dessas jogadas, que acabou definindo a partida. Depois do gol, eles se defenderam bem."

Agencia Estado,

01 Julho 2006 | 20h38

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.