Parreira é só elogios para o São Paulo

De um dos camarotes do Morumbi, o campeão da Copa Libertadores da América recebeu aplausos entusiasmados do técnico da seleção brasileira, Carlos Alberto Parreira, que assistiu à vitória do São Paulo por 4 a 0 sobre o Atlético-PR, na noite de quinta-feira, em companhia de seu auxiliar Jairo Leal. "Foi uma conquista incontestável; numa atuação primorosa", disse Parreira, quando voltava para o Rio, na tarde desta sexta. Ele elogiou todos os atletas do São Paulo, embora tenha destacado o desempenho de Amoroso, Luizão e Cicinho. E citou Rogério Ceni como um dos grandes responsáveis pelo título da equipe. "Os homens de frente tiveram papel fundamental na goleada, são experientes, com passagem pela seleção. Cicinho, apesar de bem marcado, foi outro que se saiu muito bem. Melhora a cada dia". Parreira fez uma análise mais detalhada do campeão da Libertadores. "Possui uma zaga sólida; no meio, Mineiro e Josué consolidam o poder de marcação; Cicinho e Júnior atuam como alas e dão poder ofensivo à equipe, enquanto Danilo arma bem as jogadas". De acordo com o treinador, mesmo se o Atlético-PR tivesse convertido o pênalti no final do primeiro tempo, desperdiçado por Fabrício, o São Paulo teria todas as condições de fazer prevalecer sua superioridade no decorrer da partida. "Poderia até abalar um pouco o time. Mas não acredito que alterasse o resultado final". O técnico da seleção fez questão de enaltecer o vice-campeão, "pela excelente campanha e com todos os méritos de ter chegado à final do torneio". Para a disputa do Mundial Interclubes, em dezembro, Parreira apontou São Paulo e Liverpool como favoritos. Mas fez uma ressalva: que o time paulista contrate alguém para a vaga de Luizão, já negociado para o Nagoya Grampus, do Japão. "É preciso repor as peças com a mesma qualidade". A alegria pela festa do futebol brasileiro no Morumbi só não foi maior, para o técnico da seleção, por causa dos incidentes na capital após o jogo. "O que houve foi deprimente, uma vergonha, atos de vandalismo".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.