Parreira: "Faltou alegria e inspiração"

Mal a partida acabou, Carlos Alberto Parreira admitia o fraco futebol da seleção brasileira na magra vitória sobre o Peru, por 1 a 0, neste domingo, em Goiânia. O discurso foi sincero, crítico. "Faltou alegria e inspiração ao time. Com a qualidade dos jogadores que o Brasil possui deveria criar muito mais oportunidades de marcar do que fez contra o Peru. O time esteve pesado, lento. Erramos ao centralizar o jogo e facilitamos a marcação dos peruanos", disse Parreira, deixando claro que não gostou do que viu. Ao contrário do que costuma fazer, Parreira não disfarçou a insatisfação. Até mesmo quando teve de analisar Ronaldinho Gaúcho. "Está faltando química ideal em conseguir fazer com que ele mostre o mesmo futebol do Barcelona na seleção. Ele esteve preso e só se soltou no final da partida." O treinador da seleção brasileira não concordou, no entanto, com as vaias a Ronaldo e o pedido dos torcedores para que ele saísse do jogo deste domingo em Goiânia. "O torcedor se esquece com facilidade de tudo o que ele fez pela seleção. Ele é um dos maiores atacantes do futebol mundial. Nós temos é sorte de o Ronaldo ser brasileiro", disse, ríspido. Pragmático, Parreira não poderia se esquecer o que valeu a vitória na luta pela classificação. "Os três pontos contra o Peru foram importantíssimos. Conseguimos nos livrar do grupo intermediário. Estamos em uma posição confortável na briga pela classificação para a Copa da Alemanha. Ainda mais porque temos mais três partidas no Brasil. Estamos em segundo lugar com 23 pontos. A vitória de 1 a 0 serviu para isso." Preocupado com o fraco futebol do Brasil, Parreira se preparava para tirar Kaká do jogo e trocá-lo por Ricardo Oliveira. Sem graça pelo meia ter feito o gol que deu a vitória para o Brasil, o treinador disfarçou. "Eu estava pronto para tirar um meia ou um avante. Iria arriscar tudo. Deixaria o Brasil no esquema 4-2-4. Mas saiu o gol e eu tive de mudar de idéia. Mas estava sim disposto a mudar radicalmente o time antes do gol", admitiu. Sobre a entrada de Robinho, o técnico não mostrou entusiasmo. "Ele se movimentou pelas laterais, procurou abrir espaço. Até foi bem. Teve uma boa atuação", afirmou, sem fazer festa. E deixou claro que o atacante do Santos continuará no banco de reservas na quarta-feira diante dos uruguaios. Para a partida em Montevidéu, Parreira aposta em uma melhora significativa da seleção brasileira. "Primeiro a partida será à noite. Os jogadores que atuam na Europa estão desacostumados com o calor forte do Brasil. Também eles já jogaram a primeira partida juntos contra o Peru. Estarão mais entrosados. Acredito que o Brasil irá jogar melhor. Até porque o Uruguai tentará nos atacar." Parreira também adiantou que o zagueiro Luisão será o substituto de Juan, suspenso.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.