Parreira fica satisfeito com o empate

O técnico Carlos Alberto Parreira ficou satisfeito com o empate por 1 a 1 com o Uruguai em Montevidéu. "Foi um pontinho para ser comemorado. Ele ajuda bastante na nossa situação na tabela", resumiu. A Seleção Brasileira somou seu 24.º ponto e segue em segundo lugar nas Eliminatórias Sul-Americanas da Copa, atrás apenas da Argentina, com 28. Como os rivais argentinos ganharam, abriram quatro pontos de vantagem.O que o treinador brasileiro destacou também no Estádio Centenário foi a mudança de postura da equipe, que havia ganhado de 1 a 0 do Peru, mas mostrando um mau futebol. "Desta vez, poderíamos ter vencido a partida. O duelo, mesmo em Montevidéu, foi equilibrado nos dois tempos, mas os uruguaios tiveram apenas duas chances de gol, uma delas quando o Dida soltou a bola e eles marcaram. Fizeram o gol e mais nada", explicou.Parreira viu mais méritos no seu time, sobretudo do meio-de-campo para frente. "A Seleção Brasileira teve mais presença no campo do adversário. Jogamos a maior parte do tempo do lado do Uruguai. Como disse, eles fizeram o gol e mais nada."O treinador ressaltou ainda que nos últimos dez minutos de disputa o Brasil permaneceu no ataque, ocasionando atenção redobrada no adversário. A Seleção, na verdade, só desistiu do segundo gol nos últimos segundos dos descontos (foram dois), quando tocou a bola de pé em pé na sua defesa.Antes do jogo, o técnico Parreira explicou sua opção pelo atacante Ricardo Oliveira. O jogador do Betis entrou no lugar do meia Juninho Pernambucano, que não havia atuado bem diante do Peru. "Quero confundir a marcação dos uruguaios. Como eles jogam com três homens na defesa, pensei em montar a Seleção com dois na frente, Ricardo e Ronaldo", comentou o técnico.Para ele, os primeiros 45 minutos já haviam mostrado uma Seleção Brasileira "com espírito de equipe, sobretudo de atitude em busca do gol." Parreira, que criticou a postura do time diante dos peruanos em Goiânia, cobrando mais alegria dos jogadores, voltou a aprovar o comportamento do grupo em Montevidéu. "Não deixamos que o Uruguai impusesse seu ritmo no Centenário. Tocamos bem e fizemos viradas de bola importantes."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.