Parreira lança Gilmar contra Jundiaí

O clima no Corinthians não é de contratações, embora Carlos Alberto Parreira precise de pelo menos um bom reserva para os três titulares do ataque no Campeonato Brasileiro. As opções que estão com dirigentes são três: Dodô, que parece estar disposto a só trocar o Rio de Janeiro pela Europa, Leandrão, lançado por Parreira no Internacional (RS), atualmente na reserva de Fernando Baiano, e Guilherme, colocado em disponibilidade pelo Atlético (MG). Porém, nem o técnico parece acreditar na chegada de algum reforço antes do início do Brasileiro. Motivo: a falta de dinheiro. "Não tenho informações sobre como os dirigentes estão tentando realizar negócios. Acredito que seja na base de troca ou por empréstimo porque o Corinthians não tem muita grana", afirma Parreira. No jogo-treino com o Jundiaí, amanhã, às 15h30, no Parque São Jorge, o novato Gilmar, chamado de ´Parrudo´ pelos companheiros, vai compor o ataque com Leandro, que vai atuar recuado pela direita, e Gil e a esperança de Parreira é que ele confirme o bom desempenho que vem tendo nos coletivos (hoje, fez um dos dois gols dos titulares). Senão, o jeito vai ser esperar pela volta de Deivid, que hoje assistiu ao treino e disse que está quase curado. "Segunda-feira já vou correr em volta do campo. Fiz um ultra-som e a recuperação está quase no fim, dentro do prazo de 15 dias que o médico deu." No momento, os dirigentes parecem mais preocupados em se livrar de jogadores que tem pouca utilidade, como o goleiro Gléguer, reserva do reserva Rubinho e que interessa ao Goiás, e Otacílio, que não está no mesmo nível técnico de Fabrício e Fabinho e pode ser negociado com a Ponte Preta. Mesmo que não entre dinheiro, pelo menos o clube se livra do pagamento de dois salários. Após ter sofrido enormes prejuízos com a perda de Rincón, Marcelinho Carioca e, principalmente, Luizão, por decisões da Justiça do Trabalho, os dirigentes corintianos concluíram que no atual estágio do futebol brasileiro, só contrata jogadores caros quem quer rasgar dinheiro. O inverso também vigora no Parque São Jorge. Nenhum titular é considerado imprescindível. A questão é apenas se a oferta agrada ou não. Por essa razão, ainda há expectativa pela confirmação de uma suposta proposta de um clube italiano para levar Ricardinho, que não enfrenta problema com o limite para extra-comunitários já que tem passaporte italiano. Os dirigentes também acreditam que o mercado deve se reacomodar em breve e que haverá muitos bons jogadores livres. E aí vai prevalecer uma condição que, ao contrário de vários clubes, o Corinthians tem: paga os salários em dia. Amistoso na Vila - Agora, está confirmado: Corinthians e Santos fazem um amistoso sábado, às 15h30, na Vila Belmiro. Também estão sendo acertados mais dois jogos: Osasco, quarta-feira da próxima semana, em Osasco, e Brasiliense, dia 3 de agosto, em Brasília. Com essa seqüência de amistosos, Parreira acredita que o time vai entrar no Campeonato Brasileiro - estréia dia 11, contra o Atlético (MG), em Belo Horizonte - apresentando pelo menos 60% de seu potencial. "O ideal é o time ir crescendo dentro da competição, mesmo porque quem larga bem dificilmente chega em boas condições", disse o técnico. Dida esteve hoje à tarde no Parque São Jorge, para assinar alguns documentos e se desligar do clube. O goleiro conversou rapidamente com Carlos Alberto Parreira e disse que amanhã vai se apresentar ao Milan, da Itália, para ser o reserva de Abiatti.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.