Parreira leva uma dúvida para Goiânia

Parreira resolveu dar a Robinho uma chance no time titular, no treino coletivo de hoje à tarde, sob muita chuva, na Granja Comary, em Teresópolis (RJ). O atacante santista teve participação discreta, tímida em vários momentos, e o time, no geral, foi muito mal. Com a saída do volante Juninho Pernambucano, a equipe titular ficou muito vulnerável aos contra-ataques do time reserva, armado de forma semelhante à seleção peruana, adversária de domingo, em Goiânia. No final, deu empate, em 1 a 1. Mas se fosse para haver um vencedor, esse seria o time reserva. Se levar esse treino em conta, Parreira deve mesmo manter Juninho Pernambucano como titular contra o Peru, deixando Robinho na reserva. O técnico, porém, ainda não quis confirmar a escalação. Disse que só divulgará o time domingo, momentos antes do jogo, no estádio Serra Dourada. Se Juninho for o escolhido, atuará mais avançado, como armador. "Houve mudança significativa na maneira de jogar. Vamos jogar pela primeira vez com essa formação", disse Parreira, quando questionado sobre a avaliação que fazia da semana de treinos em Teresópolis. O técnico explicou: "A gente vinha jogando com um volante, dois meias e o Kaká atuando atrás dos pontas-de-lança. Era uma formação totalmente diferente, que poderíamos chamar de 4-3-1-2. Agora, são dois volantes, dois meias e dois atacantes, um desenho tático totalmente diferente". Juninho disse que está preparado para atuar dessa forma mais ofensiva, como meia. "Faz tempo que eu não jogo assim. No Lyon, atuo mais ou menos como o Emerson joga aqui na Seleção. Mas acredito que posso fazer essa função numa boa". No coletivo, os reservas dominaram completamente os titulares durante os primeiros 30 minutos. Gustavo Nery, Juninho Pernambucano e Alex tiveram chances para marcar, mas quem balançou a rede de Dida foi Ricardo Oliveira, aos 13 minutos, numa jogada de contra-ataque iniciada após um passe errado de Ronaldinho Gaúcho. Os integrantes do "quarteto fantástico" - Kaká, Robinho e os dois Ronaldos - tentavam buscar o jogo, movimentando-se bastante. Mas encontravam dificuldades para furar o bloqueio formado pelos reservas. Para Parreira, foi a reprodução de uma situação real de jogo. "O time reserva jogou bem fechadinho, bem armado, bem parecido com o que vamos encontrar com o Peru". O gol dos titulares saiu numa jogada de bola parada, aos 34 minutos de treino. Ronaldinho Gaúcho cobrou escanteio da direita, Lúcio cabeceou e o goleiro Marcos "engoliu um frango". A maior expectativa dos cerca de 200 torcedores que assistiram ao treino sob frio e chuva forte era com relação a Robinho. Nos 43 minutos de coletivo, o atacante recebeu 27 bolas. Perdeu cinco e errou três passes, armando contra-ataques para o time reserva. Só arriscou dois chutes a gol, um para fora e outro que Marcos defendeu. E, apesar dos insistentes pedidos da torcida para que "pedalasse", Robinho, em nenhum momento, tentou uma jogada de efeito. Foram muitos passes laterais e quase nenhuma objetividade. Ele deu dois "cortes" nos zagueiros, mas não chegou a dar seu drible mais característico, a "pedalada". "Acho que o treino foi bom, apesar da chuva. Ainda não sei se vou jogar", disse Robinho.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.