Parreira não conta com reforços

Carlos Alberto Parreira foi apresentado, nesta segunda-feira, como novo técnico do Corinthians sem muita pompa. Não houve sirene nem presença de torcedores, com a exceção de uma fanática senhora corintiana, dona Valquíria, que, vestida de Mamãe Noel, ganhou um carinhoso beijo do treinador. O time para 2002 será como a chegada de Parreira: sem luxo. O badalado técnico já foi avisado e aceitou. Não receberá reforços de peso. Serão contratados alguns atletas para compor o grupo. "Temos de nos adaptar ao momento econômico e as contratações estarão subordinadas à condição financeira", declarou.Segundo ele, o elenco não é ruim, apesar de não ter conseguido bons resultados no segundo semestre. O presidente Alberto Dualib ficou irritado com as insistentes perguntas sobre contratações e disse que não há grandes opções no mercado, reforçando as afirmações do treinador. "Há dificuldade de se trazer reforços para todas as equipes, a própria seleção brasileira tem carência em algumas posições."A nova comissão técnica já está formada. Com Parreira, chegaram o preparador físico Moracy Sant?Anna e o auxiliar técnico Jairo Leal. O supervisor Valdir Joaquim de Moraes e o treinador de goleiros Cantarelle, que haviam sido demitidos com Vanderlei Luxemburgo, retornaram. "Eu não tinha nenhum treinador de goleiros para trazer", comentou Parreira, explicando a razão da volta de Cantarelle.Aplausos - Aplaudido pelos conselheiros do clube, Parreira fez questão de mostrar orgulho de seu novo emprego e agradar a todos, afirmando que não poderia receber melhor presente de Natal. "Em pleno dia 24, puseram um presente no meu sapatinho." Antônio Roque Citadini, vice-presidente de Futebol, garantiu que o casamento, iniciado em plena véspera de Natal, será duradouro e jamais rompido por causa de alguns possíveis desentendimentos no futuro. "Precisamos dar seqüência ao trabalho e não é por causa de resultados que vamos mudar a comissão." O contrato é de um ano.Quando indagado se era ruim para sua imagem ter sido apenas a segunda opção da diretoria corintiana, exagerou na diplomacia da resposta. A prioridade dos dirigentes era Oswaldo de Oliveira, que renovou com o Fluminense. "Se fosse o presidente, minha primeira opção também seria o Oswaldo, que tem raízes no clube e conquistou títulos."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.