Parreira não teme um grupo difícil

A definição dos cabeças-de-chave da Copa de 2006, nesta terça-feira, abriu a possibilidade de a seleção brasileira cair num grupo bem complicado na primeira fase do Mundial da Alemanha - o sorteio acontece na sexta, em Leipzig. Mas isso não preocupa o técnico Carlos Alberto Parreira.?Os cabeças-de-chave vão precisar estar atentos, porque o segundo escalão, com Portugal, Suécia, Holanda e República Checa está muito forte. Pelo menos, cada grupo terá um adversário de alto nível?, disse Parreira. ?O bom é que teremos uma Copa do Mundo muito forte, mas o Brasil está preparado para enfrentar qualquer adversário.?Alemanha, Itália, Inglaterra, França, Argentina, Espanha, México e Brasil são os cabeças-de-chave. Com isso, a seleção brasileira pode cair num grupo com Portugal, Sérvia e Japão, por exemplo.?Brasil, Portugal e Japão podem formar um grupo, mas espero que não ocorra. Acho que, quanto menos a seleção for exigida no início, será melhor. Teremos mais tempo para nos acertar?, afirmou Parreira, que, no entanto, gostou de só enfrentar a Alemanha numa possível final, caso os dois terminem em primeiro lugar no grupo.?Espero que os alemães caiam fora logo. Não tenho medo deles e até temos um retrospecto favorável nos confrontos diretos, mas enfrentar os donos da casa é sempre mais difícil?, explicou Parreira, que viajou nesta terça-feira para Leipzig, na Alemanha. Ele seguiu com o coordenador-técnico Zagallo e o supervisor Américo Faria para acompanhar o sorteio de sexta-feira.Zagallo, inclusive, deu sua opinião sobre a definição dos cabeças-de-chave. ?Esse sorteio de hoje não tem problema. O que vai ditar mesmo as regras é o de sexta-feira. Até lá, de que vai adiantar ficar falando sobre hipóteses? Pode cair tanto um time bom quanto ruim?, avisou o coordenador-técnico da seleção.

Agencia Estado,

06 de dezembro de 2005 | 18h49

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.