Parreira oficializa sua saída da seleção sul-africana

Técnico deixa o país-sede da próxima Copa do Mundo por problemas familiares; substituto é Joel Santana

Agências internacionais

21 de abril de 2008 | 11h01

O técnico Carlos Alberto Parreira oficializou nesta segunda-feira sua saída do comando da seleção da África do Sul, onde estava havia um ano e quatro meses. Contratado para formar um time competitivo no país-sede da próxima Copa do Mundo, em 2010, Parreira deixa o cargo por causa de seus familiares, alegando dificuldades emocionais em ficar tão longe de seus filhos e netos. Veja também: Joel Santana substituirá Parreira na seleção sul-africana"Esta é uma decisão difícil, mas eu preciso dedicar mais tempo à minha família. Eu avaliei muitos fatores e ajudei na indicação e escolha do novo treinador e eu estou à disposição para ajudar como consultor", disse o técnico, na entrevista coletiva. "Eu ponderei muito mas preciso mesmo ficar com meus familiares, especialmente minha mulher. Existe um momento em que um homem avalia o que fez na vida e cheguei à conclusão que o lado particular é mais importante que o profissional, agora", completou.Um dos motivos pelo qual o técnico sai do trabalho, segundo o jornal de Johannesburgo Sunday Times, é o fato de que a mulher do brasileiro, Leila, estaria com câncer, tendo sido operada sem que ele fosse avisado por suas filhas, preocupadas em tirá-lo do trabalho. "O técnico enfrenta um dilema, um dilema familiar... a saúde de sua esposa se deteriorou", resumiu Molefi Oliphant, presidente da confederação local. Seu substituto será outro brasileiro, Joel Santana, do Flamengo. O problema para os sul-africanos é que o time teve 14 técnicos em 15 anos. Campeão mundial com o Brasil em 1994 - e eliminado no Mundial de 2006, na Alemanha - e em diversos clubes brasileiros como Corinthians e Fluminense, Parreira não deve voltar a trabalhar neste ano. "O momento não é feliz para mim, eu não me sinto confortável, mas preciso dizer tchau", disse o técnico, encerrando a coletiva. (com AP e Reuters)Atualizado às 18h36 para acréscimo de informações 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.