Parreira pede compromisso de jogadores com a seleção

O técnico da seleção brasileira Carlos Alberto Parreira disse nesta terça-feira que sua principal missão é conseguir dos jogadores que eles se comprometam com a equipe para conquistar o hexacampeonato mundial na Alemanha. Para o técnico, os jogadores já são bem-sucedidos, profissional e financeiramente, e por isso devem encontrar na Copa um estágio a mais de realização. "É importante que os jogadores se sintam comprometidos com o projeto, à vontade e felizes", afirmou o treinador, na primeira entrevista coletiva concedida em Weggis, pequena cidade na Suíça onda a seleção está concentrada desde segunda-feira. Parreira ressaltou que a prioridade da comissão técnica será ter o time inteiro fisicamente para o jogo de estréia, contra a Croácia, no dia 13 de junho, em Berlim, e as demais partidas no Mundial. Para isso, ele conta com os resultados dos exames médicos e físicos que começaram a ser realizados nesta terça-feira e seguem até quarta, numa clínica na cidade vizinha de Notwil. "Se for necessário poupar alguém durante um ou dois treinos, vamos poupar. O objetivo é ter o time inteiro o máximo que puder", disse o técnico, que admitiu não ser possível jogar a Copa apenas com os 11 titulares. "Temos o desgaste físico, contusões, cartões amarelos, cartões vermelhos. Certamente a gente será obrigado a usar mais de 11 jogadores", disse. Ronaldo já treina A condição física de Ronaldo, que está parado há mais de um mês por causa de uma contusão muscular, não preocupa o treinador. "Ele está clinicamente recuperado, se preparou fisicamente e já começa treinando com bola", declarou o técnico, que comandará a primeira movimentação nesta quarta-feira, no Estádio Thermoplan, em Weggis. "Ele está no peso ideal", completou o técnico. O estado físico dos jogadores, aliás, deixou o técnico satisfeito. Segundo o médico José Luiz Runco, a equipe chega às vésperas da Copa em melhor estado do que o grupo que disputou o Mundial de 2002. "Vamos poder nos concentrar no trabalho técnico, físico e tático, principalmente tático." Parreira não teme que Ronaldinho Gaúcho, melhor jogador do mundo, seja caçado em campo pelos adversários. "Ele será visado, sem dúvida alguma, porque está em grande fase e evoluiu muito nos últimos anos. Mas não diria que será caçado", afirmou o técnico. Tranqüilo, Parreira diz que não vê nenhuma necessidade de conversar com Adriano, que viveu má fase na Inter de Milão durante a temporada européia, e reafirmou que ele se sente bem mais à vontade na seleção. "O problema é o time dele. Aqui ele tem carinho. Ele chega e o semblante dele muda. Mas, se houver necessidade, vamos falar com ele", afirmou. Autógrafos Nesta terça-feira, antes e depois dos exames médicos e físicos, realizados na Swiss Paraplegic Center, em Notwil, os jogadores deram autógrafos para jovens paraplégicos que realizam tratamento na mesma clínica. Os atletas também deram autógrafos e acenaram para a torcida na chegada e na saída do Park Weggis Hotel, onde a equipe está concentrada. Desde segunda-feira, milhares de pessoas lotavam as redondezas do hotel à espera de algum contato com os jogadores da seleção.

Agencia Estado,

23 Maio 2006 | 12h39

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.