Parreira pode trabalhar com Moracy

O ex-técnico da seleção brasileira, Carlos Alberto Parreira, se apresenta nesta quarta-feira à tarde (23), no Estádio Beira-Rio, em Porto Alegre, como a grande cartada do Internacional para a disputa do Campeonato Brasileiro, no segundo semestre. Ele e o auxiliar técnico Jairo Leal assinarão um contrato até o final do ano, quando se encerra a atual gestão do presidente Fernando Miranda. O preparador físico Moracy Santana, que saiu do Guarani de Campinas e sempre acompanha Parreira, também poderá se transferir para a capital gaúcha. Longe de qualquer decisão oficial desde 1999, o Inter aposta todas as suas fichas no técnico do tetracampenato mundial para voltar a figurar entre os grandes do futebol brasileiro. Parreira chegou a receber propostas para treinar novamente a seleção do Kwait e o Panathinaikos, da Grécia, mas preferiu ficar no Brasil. Além do convite do Inter, ele chegou a negociar com o Botafogo do Rio, mas não houve acerto financeiro. De passagem por São Paulo, na semana passada, também foi convidado por um amigo para assistir ao jogo do Palmeiras contra o São Caetano, mas desistiu diante do boato de que poderia substituir Celso Roth em caso de tropeço do clube paulista na Libertadores. O clube porto-alegrense, conforme os dirigentes colorados, tem uma sistemática de planejamento, com comissão técnica, que agrada a Parreira. "O clube está muito bem estruturado e é uma das equipes que mais títulos brasileiros têm, ao lado do Flamengo", disse hoje o ex-técnico da seleção. Ele já havia sido sondado antes pelo Inter, quando Zé Mário foi demitido, em abril, mas as limitações financeiras do clube gaúcho adiaram o acerto. Agora, pressionado pela sucessão de maus resultados e com o dinheiro da venda do volante Fábio Rockembach para o Barcelona por R$ 25 milhões, o Inter começa a abrir mais seus cofres. Além do técnico novo, prepara-se para contratar reforços que permitam sonhar com o título brasileiro. Os primeiros nomes da lista são o atacante Paulo César, do Villa Nova de Minas Gerais, e o zagueiro Cléber, do Cruzeiro. O clube gaúcho também já contratou a Fundação Getúlio Vargas (FGV) para fazer a modelagem de uma possível parceria empresarial.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.