Parreira prepara Brasil para escapar das retrancas

O técnico Carlos Alberto Parreira já sabe o que a seleção brasileira vai encontrar pela frente na Copa do Mundo da Alemanha: a retranca dos adversários. Ele reconhece que o time do Brasil, cheio de astros, provoca medo e faz com que a marcação seja prioridade para quem estiver jogando contra ele. ?Poucas equipes ousarão enfrentar o Brasil de peito aberto?, avisou Parreira, na entrevista coletiva de quinta-feira, em Königstein, Alemanha. ?A maioria deve ficar com 8 ou 9 jogadores marcando?. Por isso mesmo, Parreira tem utilizado um recurso curioso nos treinos da seleção. O mini-coletivo, o rachão e até mesmo o trabalho tático são, na maioria das vezes, realizados com o campo reduzido. Tudo para diminuir o espaço de ação dos jogadores brasileiros, fazendo-os se ambientaram à forte marcação que os adversários devem realizar na Copa. O primeiro exemplo dessa falta de espaço em campo para jogar já deve ser visto na estréia do Brasil, na próxima terça-feira, em Berlim, contra a Croácia. Mas antes, Parreira tem mais alguns treinos para preparar bem seu time para a forte marcação que encontrará. Nesta sexta-feira, o treino da manhã será apenas trabalho físico, na academia localizada no prédio anexo ao Hotel Kempinski, onde a seleção está concentrada. Mas à tarde os jogadores vão para o campo da Zagallo Arena, também em Königstein, para Parreira tentar mostrar os caminhos dos buracos nas retrancas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.