Parreira promete lista sem surpresas

Uma lista sem surpresas. É o que promete o técnico Carlos Alberto Parreira para a convocação desta quarta-feira à tarde dos atletas para os amistosos com a França no dia 20, em Paris, e com a seleção da Catalunha no dia 25, em Barcelona. Ronaldo vai voltar à equipe, depois de afastado do jogo contra a Hungria por recomendação médica. E o zagueiro Lúcio, outro ausente na partida anterior, deve ficar fora mais uma vez: foi submetido a uma artroscopia e só deve atuar de novo em junho. O zagueiro Bordon, do Stuttgart, pode não constar da lista por causa de uma fratura de maxilar. Várias horas de reunião hoje na sede da CBF não foram suficientes para a comissão técnica da Seleção Brasileira resolver pendências relacionadas à convocação. Só minutos antes de anunciar a lista é que Parreira definirá o número exato de jogadores para os amistosos. Ele também não sabia se estenderia a relação de amanhã para os jogos com Argentina e Chile, em junho, pelas Eliminatórias do Mundial de 2006. À saída da CBF, à noite, o treinador lembrou que a Fifa exige convocação com antecedência de 15 dias de quem atua no Exterior. Por conta disso, teme que os clubes da Europa possam criar problema para a Seleção se a relação a ser divulgada hoje seja extensiva para quatro jogos. "E se os clubes depois argumentarem que não houve convocação específica para as partidas com Argentina e Chile e, portanto, se declararem desobrigados a liberar seus atletas?", observou Parreira. Dessa forma, a comissão técnica deve se decidir por uma nova convocação no dia 18 - 15 dias antes do jogo com a Argentina, que valeria também para o Chile, em 6 de junho. "Além disso, vamos ter de levar em consideração que alguns clubes estarão em fase decisiva na Copa do Brasil e na Libertadores da América", disse o técnico. Parreira irá liberar dez atletas no dia 21, logo após o amistoso com a França, para jogarem por seus clubes no dia 22. Depois, esse grupo só se reintegra à Seleção na véspera da partida com a Catalunha. Fratura - O zagueiro Bordon revelou que vem atuando pelo Stuttgart com o maxilar quebrado. A lesão ocorreu num treino antes da partida com o Bochum, domingo retrasado, pela Liga Alemã. "Estou jogando no sacrifício pelo time, que está na briga por vaga na Liga dos Campeões da próxima temporada. A comissão técnica me pediu esse esforço. Sei que corro riscos." O médico da seleção, José Luiz Runco, orientou o atleta a ser submetido a cirurgia. Ele teria de colocar uma placa de platina. "Vou esperar o campeonato acabar para fazer a cirurgia", disse Bordon.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.