Parreira reforça: só divulga time na hora do jogo

O técnico Carlos Alberto Parreira reforçou mais uma vez que só vai divulgar o time titular do Brasil para o jogo desta quinta-feira contra o Japão quando já estiver no Westfalenstadion. Na entrevista coletiva nesta quarta, após o treino de reconhecimento, por mais que fosse questionado sobre o assunto - e das mais diversas formas -, ele mantinha a postura de indefinição."Se tiver que colocar algum dos reservas, ele vai jogar. Aliás, são reservas entre aspas. Existe a possibilidade de mudar, até porque não é um jogo de risco, já estamos classificados e lutamos apenas pela liderança, que é importante. Vamos fazer uma reunião nesta noite e aí decidimos o que fazer", explicou.Até mesmo a possibilidade de perder um jogador por causa de suspensão - risco que correm Emerson, Cafu, Ronaldo e Robinho por já estarem com um cartão amarelo - foi mantida como item a ser analisado. "No vestiário é que eles (jogadores) sabem quem vai jogar. Está tudo tranqüilo. É uma possibilidade (mudança por cartões) e vai ser analisada. É complicado. O jogador pode entrar e não tomar, pode jogar e tomar. Se alguém for suspenso, entra outro em seu lugar e pronto."Outro peso na decisão sobre quem escalar pode ser a necessidade de ganhar para terminar em primeiro e daí pegar a Itália - adversário historicamente forte - logo nas oitavas-de-final - se este terminar em segundo no Grupo E. "Não temos preferência por nenhum adversário. Depois é depois. É outro jogo e daí pensaremos o que fazer."Parreira avaliou ainda os cuidados que o time precisa ter contra a seleção japonesa. A maior de todas é com o contra-ataque. "Temos que ter cuidado com as bolas em velocidade. O Japão é um time que tem sua força e pode surpreender o Brasil."Robinho e Ronaldinho não preocupamUma troca cogitada no time no titular é a entrada de Robinho, que tem agradado aos torcedores nos jogos. Mas o técnico da seleção brasileira não deu indícios de que vai aproveitá-lo como titular neste jogo. Ele só deve entrar no decorrer do jogo, até porque todos já sabem o que pode render. "O Robinho já demonstrou seu valor na Copa das Confederações. Não dá para avaliar em 15 minutos, ele não será avaliado por isso, e sim pelo que já fez na seleção. Para nós é bom que ele queira jogar, porque é alguém que podemos contar. Vai ser sempre um problema, entre aspas, para que for técnico da seleção. Qualidade demais e poucas posições."Já o baixo rendimento de Ronaldinho nos dois jogos já realizados não o incomoda. "O Ronaldinho vai ter marcação em cima, veio com a fama de melhor do mundo por duas vezes, e sempre que tiver espaço vai definir. A gente quer que o time renda coletivamente."Por coincidência, o técnico volta a estar num lugar que não remete a boas lembranças. Em 1974, o Brasil perdeu para Holanda por 2 a 0 neste mesmo estádio e foi eliminado daquela Copa do Mundo. Ele garante que não se incomoda ou se preocupa com isso. "Eu estava aqui, foi Brasil e Holanda, não mexe comigo não, foi um passado muito distante. Não vai ter influência."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.