Parreira sai em defesa dos pontos corridos

O técnico da Seleção Brasileira, Carlos Alberto Parreira, disse nesta terça-feira que a salvação do futebol nacional está na manutenção da fórmula de disputa do atual Campeonato Brasileiro.Parreira afirmou também que a conquista do Cruzeiro deve servir de paradigma para os outros clubes do País. "Eu fico muito satisfeito que a CBF tenha mantido o campeonato de pontos corridos. Pela primeira vez em trinta e poucos anos uma fórmula é repetida. Eu não tenho a menor hesitação em dizer que esse tipo de competição vai ser a salvação do futebol brasileiro, com 20 equipes na primeira (divisão), com 20 na segunda (divisão)", disse o treinador, durante entrevista coletiva, em Belo Horizonte. Segundo ele, a fórmula vai obrigar os clubes brasileiros a se reorganizarem e se reestruturarem. "Quem não se profissionalizar, quem não investir, quem não se estruturar, quem não planejar, vai cair mesmo", previu. Parreira revelou que torceu pelo time celeste. "Torci bastante porque acho que o sucesso do Cruzeiro deve servir de paradigma, de modelo, de exemplo para os clubes brasileiros", observou, destacando a "profissionalização" do clube mineiro. Da mesma forma, o técnico, que nesta terça ministrou uma palestra sobre planejamento estratégico para 1,5 mil funcionários da siderúrgica Açominas, em Ouro Branco (MG), comemorou a ascensão de Palmeiras e Botafogo à Série A. "Duas grandes equipes que foram as que mais investiram, foram as equipes que planejaram. Futebol tem que partir para esse lado. A turma do bem tem que prevalecer, sempre". ALEX - A avaliação do desempenho do meia Alex, porém, foi menos enfática do que os elogios dirigidos ao Cruzeiro. Para Parreira, o técnico Vanderlei Luxemburgo criou um esquema tático para "encaixar" o meia. "No Cruzeiro ele não tem concorrentes, na Seleção ele tem o Ronaldinho Gaúcho, tem o Rivaldo, tem o Kaká, tem o Diego, são vários grandes jogadores", disse, ao ser questionado sobre o futuro aproveitamento do camisa 10 no time brasileiro. RIVALDO - Sobre a rescisão do contrato entre Rivaldo e Milan, ele classificou como uma notícia positiva para o atleta e para a Seleção."Para o jogador acabou sendo bom. Ele não estava feliz lá. Campeão do mundo, ele não jogava, o treinador não gostava dele. A partir de janeiro ele tem a oportunidade de ir para um clube onde ele vai jogar.Isso para ele é bom e para a Seleção também, porque é um jogador que vai se manter em atividade".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.