Wilton Junior/AE - 10/3/2010
Wilton Junior/AE - 10/3/2010

Parreira se irrita com federação sul-africana por falta de amistosos

Técnico brasileiro queria enfrentar seleções do nível de Brasil e Argentina, mas terá de duelar contra equipes da segunda divisão do futebol alemão

Efe,

18 de abril de 2010 | 15h56

O técnico da África do Sul, Carlos Alberto Parreira, está muito irritado com a federação sul-africana de futebol (Safa, na sigla em inglês) por causa da falta de amistosos contra times fortes na preparação para a Copa do Mundo, informou a imprensa local.

 

Parreira queria jogar contra seleções como Brasil, Argentina, Inglaterra e Alemanha para colocar seus jogadores à prova e tirar conclusões sobre o nível em que estão.

 

Em vez disso, a Safa organizou uma pré-temporada de quase três semanas na Alemanha, onde a seleção sul-africana enfrentaria equipes da segunda e da terceira divisões do futebol alemão.

 

Parreira não quer jogar contra estes times e as autoridades do futebol sul-africano trabalham contra o relógio para encontrar algum adversário de nível mais alto que dificulte a vida dos 'bafana-bafana' - algo difícil nesta altura do calendário esportivo.

 

Por enquanto, a África do Sul tem dois amistosos confirmados na Alemanha. No dia 22, enfrenta o time B do Nuremberg, e no dia 28, joga contra a China, que não disputará a Copa do Mundo deste ano.

 

"Quando cheguei ao país pela primeira vez em 2007, fiquei impressionado com os amistosos que estavam fechados. Com todo o respeito a estes países, não vão nos ajudar a melhorar", disse Parreira, que lembrou ter enfrentado Itália, Sérvia, Bolívia e Paraguai em sua primeira passagem como técnico da África do Sul.

 

"Quando cheguei no ano passado, em novembro, todas as grandes seleções tinham partidas marcadas. Tentei com o Brasil, Alemanha, Inglaterra, mas todos tinham o calendário cheio. Temos que fazer algo e jogar contra alguém", acrescentou.

 

A Safa confirmou outros dois amistosos - contra Colômbia, em 27 de maio, e Dinamarca, em 5 de junho -, mas Parreira quer adversários agora e a Safa não consegue encontrar quem queira ou possa abrir espaço em seu calendário para a África do Sul.

 

Não é a primeira vez em que Parreira fica insatisfeito com a federação sul-africana. Em fevereiro, quando todas as seleções participantes da Copa tinham escolhido e reservado suas bases para a competição, soube que sua escolha teria que ser mudada porque as instalações selecionadas por ele não estariam prontas para o torneio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.