Parreira usa tática do mistério no Fluminense

O técnico Carlos Alberto Parreira normalmente não é adepto a fazer mistério na escalação de sua equipe. Mas adotou essa estratégia para o jogo decisivo desta quarta-feira, quando o Fluminense enfrenta o Corinthians, a partir das 21h50, no Maracanã, em busca da vaga nas semifinais da Copa do Brasil - o time carioca precisa vencer por dois gols de diferença, pois perdeu por 1 a 0 no Pacaembu.

AE, Agencia Estado

20 de maio de 2009 | 08h16

"Mistério nessas horas faz a diferença", declarou Parreira, certo de que o técnico Mano Menezes, do Corinthians, está atento ao noticiário vindo das Laranjeiras. Ele não gostou de ter recebido no vestiário do Pacaembu, minutos antes do primeiro jogo entre as duas equipes, apenas um esboço da escalação do Corinthians. Tanto que fez várias críticas à atitude da comissão técnica adversária.

"Não estamos disputando um campeonato de várzea. Jogamos em um País que vai promover uma Copa do Mundo e ficamos surpresos com o que aconteceu", disse Parreira, ao comentar o excesso de mistério corintiano no primeiro jogo do confronto. Por isso, o treinador do Fluminense também resolveu esconder seu time para a partida decisiva no Maracanã.

Parreira ainda não confirmou se começará a partida com o meia argentino Conca, que se recuperou recentemente de lesão muscular e não está no melhor de sua forma física. Ele disputa um lugar com Maurício. Já o lateral-esquerdo João Paulo sentiu dores no joelho durante o treino de terça-feira e pode ser substituído por Mariano - assim, Eduardo Ratinho entraria na lateral-direita. E no ataque, mais uma dúvida: Maicon ou Alan ao lado de Fred.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolCopa do BrasilFluminense

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.