Parreira: vantagem é só na teoria

De um lado, uma equipe completa, entrosada e com um treinador em boa fase, de bem com a vida. Do outro, um time desfalcado, sem uma dupla de ataque definida e um treinador que já pediu demissão antes mesmo de a competição terminar. Na teoria o Corinthians leva vantagem em relação ao São Paulo, na primeira partida da decisão do Torneio Rio-São Paulo, domingo, às 16 horas, no Morumbi: enquanto o Tricolor não contará com sua dupla de atacantes Kaká e França, o time do Parque São Jorge terá sua força máxima."Mas essa vantagem é mesmo só na teoria", enfatiza o técnico do Alvinegro, Carlos Alberto Parreira, que vive a expectativa da sua primeira conquista no futebol paulista."Em campo, a situação pode mudar."Parreira antecipa que o clássico deverá ser decidido "no detalhe", em um lance individual das principais estrelas. Por isso, ele acha importante o Corinthians atuar completo. Sem problemas de contusão ou suspensão, o treinador vai escalar a equipe, que disputou a maioria dos jogos. "Não dá mais para o treinador armar uma surpresa, por os times se conhecem até pela sequência de partidas disputadas recentemente. "Assim, uma grande jogada ou uma falha podem decidir o jogo. Na quarta-feira por exemplo, não marcamos o Gustavo Nery, no lance do escanteio. Ele deu uma cabeçada para trás, que originou o primeiro marcado pelo São Paulo", lembra o treinador corintiano.A expectativa será de uma decisão equilibrada, por isso a atenção com a disciplina em campo será uma das preocupações dos treinadores. Os cartões, vermelho e amarelo, poderão determinar o campeão, no caso do empate, após os dois jogos. Parreira mais uma vez advertiu seus jogadores contra o risco de levar cartão sem necessidade.O Corinthians praticamente encerrou hoje a preparação para o jogo de domingo. Parreira orientou um treino tático de quase uma hora. O treinador acertou o esquema da equipe, principalmente o toque de bola e a movimentação no meio-de-campo e ataque. Ele disse que se Kaká realmente não jogar, muda sua forma de o time marcar o ataque adversário.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.