Parreira vê 'bom momento para discutir nosso futebol'

O coordenador técnico da seleção acredita que o atual momento é ideal para discutir novas táticas e métodos de treinamentos

Luiz Antônio Prósperi - enviado especial a Teresópolis, O Estado de S. Paulo

09 Julho 2014 | 16h19

A comissão técnica da seleção admite que o futebol brasileiro precisa rever alguns conceitos e implantar novos modelos de administração. O coordenador Carlos Alberto Parreira disse na entrevista concedida nesta tarde de quarta-feira, na Granja Comary, que o impacto da derrota por 7 a 1 para Alemanha é sim uma grande oportunidade que o Brasil tem para se reorganizar. Parreira aponta o modelo alemão como o ideal para dar início a um novo caminho ao futebol brasileiro.

Ainda amargurados com o que eles da comissão técnica chamaram de Tsunami, 24 horas depois do vexame no Mineirão, Felipão e Parreira elencaram alguns pontos que devem ser atacados para mudar o futebol brasileiro. Aceitam até fazer um pacto com todas as esferas - administrativa, treinadores e jogadores - para implantar um novo método de trabalho.

"É um bom momento sim para se discutir o nosso futebol, que já caiu outras vezes mas continua grande e vai sobreviver a mais essa catástrofe. Entendo que o trabalho da Alemanha é um exemplo. Nós aqui no Brasil temos um centro de treinamento (Granja Comary) à disposição da seleção. Lá eles têm 25, um para cada situação, determinada competição. Há um bom tempo, eles trabalham forte para a melhoria dos treinadores, aperfeiçoamento dos treinamentos e qualificação dos jogadores", disse Parreira.

O coordenador da seleção entende que a responsabilidade da mudança não é só da CBF, mas dos clubes, federações, treinadores, jogadores e dirigentes. "A CBF não é formadora de jogadores. Ela recebe os atletas dos clubes, treina e põe para jogar nas competições das seleções. Para mudar o conceito do nosso futebol, é preciso melhorar o nível dos nossos treinadores, investir na formação dos jogadores, melhorar as categorias de base dos clubes, melhorar nossos campeonatos e até modernizar a administração dos clubes e entidades, coisa que os europeus fazem muito bem."

Felipão ressaltou que o trabalho na categoria de base da seleção brasileira já passa por uma renovação em todos os sentidos. "A CBF vem realizando um bom trabalho na base com o Alexandre Gallo. Ele tem promovido cursos com treinadores e responsáveis pela base da maioria dos clubes brasileiros. Saiu por aí mapeando jovens jogadores do Brasil em várias partes do mundo e já tem uns 60 atletas que podem servir à seleção", disse Felipão.

Parreira argumenta que o trabalho de reorganização do futebol brasileiro não pode esperar uma nova derrota acachapante como a do Mineirão para se reerguer. "Vamos pensar nesse debate sobre um novo conceito. Podemos sim fazer um simpósio. Vamos levar essa ideia adiante".

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.