Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Passagem de Diego Souza pelo São Paulo custa cerca de R$ 1 milhão por gol

Atacante acerta com o Botafogo após ficar 13 meses e marcar 17 gols pelo time do Morumbi

Redação, O Estado de S. Paulo

08 de março de 2019 | 17h28

A ida do atacante Diego Souza do São Paulo para o Botafogo, por empréstimo, selou nesta sexta-feira uma passagem rápida e pouco produtiva do jogador pelo time do Morumbi. Contratado em janeiro de 2018 por cerca de R$ 10 milhões, o atleta de 33 anos se transfere depois de 61 jogos e 17 gols marcados em um momento em que o São Paulo busca reduzir a folha salarial.

Em janeiro de 2018, o diretor de futebol do clube, Raí, foi ao Recife negociar com o Sport a vinda de Diego Souza. As tratativas foram complicadas, até o desfecho ser celebrado por R$ 10 milhões, com o acordo do pagamento de cerca de R$ 600 mil em salários. Como ficou por 13 meses na equipe, o atacante parte rumo ao Botafogo após receber em vencimentos mensais R$ 7,8 milhões na soma.

Inclusive, o elevado valor salarial pesou para a diretoria topar emprestá-lo ao Botafogo. O próprio técnico Cuca, que chegará à equipe em abril, concordou com a ideia. O atacante Nenê, na mira do Fluminense, é outro jogador em condição parecida: tem vencimentos considerados elevados e pode se transferir para ajudar a equipe do Morumbi a diminuir os custos.

Diego Souza foi anunciado pelo Botafogo nesta sexta-feira. Curiosamente, o time carioca é o único dos quatro grades do Rio pelo qual o atacante ainda não passou. Revelado no Fluminense em 2005, onde teve mais de uma passagem, ele atuou pelo Flamengo e passou pelo Vasco. No time alvinegro ele conquistou um dos títulos mais importantes da carreira, a Copa do Brasil em 2011.

Aos 33 anos, o jogador também tem passagem pela seleção brasileira. A primeira chance veio em 2009, com Dunga, para disputar partidas das Eliminatórias da Copa do Mundo. Outras chances vieram em 2011 e a última em 2017, já com o técnico Tite, quando disputou um jogo contra o Uruguai, em Montevidéu, e amistosos na Austrália.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.