Passaportes falsos: reunião em Paris

Promotores públicos e policiais de Itália, França, Portugal, Espanha, Alemanha e Inglaterra vão reunir-se em Paris, na sexta-feira, para discutir "ações conjuntas" contra passaportes falsos de jogadores. A iniciativa do encontro foi do italiano Paolo Verni, que trabalha em Údine, de onde coordena investigações em seu país. A proposta é a de criar estratégia conjunta para evitar o surgimento de novos casos de documentação falsa. Paris foi escolhida como sede desse congresso como reconhecimento ao trabalho da justiça francesa e da federação de futebol local. Ambas foram as primeiras a combater a "máfia" que produz passaportes para estrangeiros atuarem como comunitários. Os brasileiros Alex e Aloisio, do Saint-Étienne, receberam suspensões por apresentar-se com passaporte português sem valor; dirigentes do clube foram afastados. Alguns atletas sul-americanos ainda correm risco de expulsão do país, também por causa desse tipo de fraudes. Os promotores europeus esperam trocar informações, experiências e métodos de trabalho nessa reunião de Paris. Há intenção, ainda, de criar uma linha de argumentação uniforme nas sessões dos tribunais de cada um desses países. O "congresso" dos agentes públicos é também uma resposta ao pedido da Fifa, de que se feche o cerco em torno dessa indústria ilegal de contratações. A entidade que controla o futebol no mundo garante que vai apoiar toda iniciativa para combater irregularidades na importação de talentos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.