Passarella diz que fica no Corinthians

O técnico Daniel Passarella disse nesta sexta-feira que não tem a intenção de deixar o Corinthians, apesar de ser apontado como o principal responsável pela crise que se intalou no clube desde a eliminação na Copa do Brasil, com a derrota nos pênaltis para o Figueirense. Em entrevista coletiva no início da tarde, no Parque São Jorge, ele garantiu que fica. Lembrou que tem contrato até 31 de dezembro deste ano e, se depender dele, vai cumprir o compromisso até o final. A diretoria do Corinthians, no entanto, se reúne na tarde de hoje para definir o futuro do treinador. ?Se eu estou aqui (na entrevista) é porque continuo no clube. Está tudo bem, tudo normal?, disse Passarella. ?Na verdade, não está normal. Estou muito triste pelo resultado. Ainda estou sentindo uma grande dor pela eliminação, mas a vida continua. Precisamos recarregar as nossas baterias, porque temos uma jogo muito difícil pela frente (contra o São Paulo, domingo)?, disse ele.Passarella disse que a informação de que poderia pedir demissão deve ter surgido porque após o jogo ele afirmou que iria repensar sobre o seu futuro no clube. ?Mas eu disse isso, apenas porque tentei ser cauteloso. Não queria fazer nenhuma declaração que pudesse complicar ainda mais o clima no clube?, justificou.O treinador falou também que não se sente responsável pelo clima de instabilidade que tomou conta da equipe. Ele avalia que as mudanças que promoveu na equipe (afastamento de Fabio Costa e colocação de Roger e Betão na reserva) são naturais. Ele não acha que essa instabilidade tenha contribuído para o baixo desempenho da equipe. ?Eu penso que é atribuição do treinador fazer as mudanças que considere necessárias. Os jogadores, por sua vez, têm de jogar bem e aceitar as determinações?, disse.Além de criar pontos de atrito com os jogadores, Passarella também teria gerado desconforto entre os membros da comissão técnica, ao ter tentado contratar profissionais argentinos para trabalhar com ele. Gente que seria de sua confiança. O treinador admitiu que pediu a contratação dos profissionais, mas garantiu que os que estavam no clube não seriam demitidos.Nos bastidores dizem que Passarella também está desgastado com a diretoria. Foi criticado pelo diretor de futebol Andrés Sanchez (que considerou ter sido precipitado o afastamento de Fábio Costa), mas devolveu. ?O Andrés não falou pessoalmente comigo sobre isso. E eu não pela imprensa. Falo sempre pessoalmente?, afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.