Passarella troca Mascherano por três

Contrariando a vontade do chefe Kia Joorabchian, Daniel Passarella não faz questão nenhuma de contar com o volante Javier Mascherano no time corintiano. Pelo menos foi isso o que disse o técnico em entrevista publicada hoje no Diário Olé, o principal jornal de esportes da Argentina. Passarella falou que já tem boas opções no atual elenco para a posição de volante (Marcelo Mattos está em alta) e que tem outras prioridades para contratações. Tirar Mascherano do River Plate, por US$ 15 milhões (quase R$ 40 milhões), seria um capricho desnecessário. "É um grande jogador, com um potencial enorme. Não cairia mal no Corinthians, porque quem joga aqui não tem a sua experiência, mas a equipe precisa de jogadores em outras posições. Essa é a realidade", disse Passarella, que ainda salientou: "Mas não tenho nada contra Mascherano". O treinador afirma que deixou clara essa sua posição para Kia Joorabchian numa reunião realizada recentemente. "Ele (Kia) havia falado algo (sobre contratar Mascherano). Pediu para que eu fizesse uma avaliação do elenco e lhe dissesse o que eu precisava. Pedi três reforços", disse Passarella. Dentre eles, não constaria o nome de Mascherano e nem de nenhum outro volante. Que Passarella quer um atacante (Vágner Love é o preferido) e um zagueiro (Anderson está de saída para o Benfica), todos já sabem. A dúvida é quanto a terceira posição. O técnico poderia estar querendo um lateral-esquerdo (para ser reserva de Gustavo Nery) ou um segundo atacante, já que se especula muito sobre uma possível saída do argentino Tevez ainda este ano. Questionado sobre isso por jornalistas brasileiros, Passarella prefere o silêncio. "Essa é uma questão que deve ficar entre mim e o Kia", diz o técnico. Ao dizer que não quer Mascherano, Passarella poderia estar também tentando desvalorizar o volante. O River pediu a Kia US$ 15 milhões. Nenhum dos outros clubes interessados em Mascherano chegou nem perto desse valor. O Dunga do Parque São Jorge - Enquanto a novela Mascherano não acaba, Marcelo Mattos, 21 anos, vai curtindo a boa fase. Autor de dois gols nos últimos dois jogos - ambos de cabeça -, ele diz não estar preocupado com a possível chegada do volante argentino. "Não sei como estão as negociações. Minha única preocupação é continuar fazendo meu trabalho", diz Marcelo Mattos. Ele conta que a chave para fazer tantos gols de cabeça, apesar de sua estatura apenas mediana (tem 1,79m), é estar sempre bem colocado na área. "Acho que os adversários se preocupam mais com o Anderson e o Sebá e se esquecem de mim. Procuro ficar bem posicionado, imaginando onde a bola irá". Natural de Indiaporã, Mattos iniciou a carreira no Mirassol, da Série A-2 do Paulistão. De lá, foi para o São Caetano, onde se destacou no ano passado e jogou com volantes como Mineiro, hoje no São Paulo. Seu ídolo, porém, é o mesmo desde os tempos de criança: "Eu sempre me espelhei no Dunga. Gostava de seu jeito de jogar e de seu jeito de ser, daquela raça toda".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.