Pato faz dois, decide e Kaká volta ao Morumbi com vitória

Resultado aproxima o São Paulo do G-4 da competição, em quinto, com 23 pontos, três atrás do Fluminense, na quarta posição

Fábio Hecico, O Estado de S. Paulo

10 de agosto de 2014 | 20h33

Muito prazer, São Paulo. Foram 14 rodadas de espera para o tão sonhado futebol vistoso do time estrelado de Muricy Ramalho aparecer. Em noite de festa para a reestreia de Kaká, o quarteto ofensivo formado pelo camisa 8, Ganso, Alexandre Pato e Alan Kardec funcionou bem na vitória tranquila sobre o Vitória, por 3 a 1.

Após três tropeços consecutivos no Brasileirão, o São Paulo mostrou o que era esperado por seu torcedor desde a volta após a Copa do Mundo: domínio. Com toques envolventes, Douglas parecendo um ponta, Kaká e Ganso distribuindo bons passes e Pato com a pontaria em dia, o São Paulo decidiu a vitória em apenas 38 minutos, quando já abriu 3 a 0.

Faltou apenas o gol de Kaká. Na reestreia do camisa 8 no Morumbi, o São Paulo acabou com o jejum de vitórias e colou no G-4, com 23 pontos e a quinta posição. O São Paulo entrou em campo com um desfalque de última hora. O lateral-esquerdo Álvaro Pereira foi vetado pelos médicos por causa de uma concussão sofrida na rodada passada, diante do Criciúma. A justificativa dos médicos foi apenas "precaução."

A noite, contudo, era de festa para o retorno de Kaká. Ao som da potente guitarra do Hells Bells e de "ô, o Kaká voltou, ô, o Kaká voltou", o camisa 8 pisou no gramado do Morumbi após 11 anos de sua despedida. O ídolo entrou com os filhos Luca e Isabella por um corredor de mascotes que terminaria num círculo de molecadinha no centro do gramado.

As bexigas levaram a bandeira de Kaká para o céu de São Paulo e era hora de matar a saudade de jogar no campo preferido.

Apito inicial e, com apenas 34 segundos, Caio perde chance na cara de Rogério Ceni. Chutou pelo alto, assim como Marcinho, pouco tempo depois. O Vitória parecia em casa. Mas diante de um time com Kaká, Ganso, Pato e Kardec, quarteto ofensivo de respeito, não se pode falhar.

E os baianos bobearam na frente, com a má pontaria de seus atacantes, e atrás com o zagueiro Alemão. Ele errou com uma bola dominada na frente de Ganso. Esperto, o maestro são-paulino só rolou para Pato tirar o zero do marcador. 

O atacante que ainda não caiu nas graças da torcida, comemorou de forma efusiva. Correu e se jogou no símbolo do clube. Depois agradeceu aos céus. Porteira aberta...

O Vitória sentiu o baque do gol. E, atordoado, viu o São Paulo 'desencantar'. Logo após uma reclamação de pênalti de Reinaldo em Caio, ignorado pela arbitragem, o grito de gol voltaria a ecoar no Morumbi.

Douglas deu uma de Ganso e serviu Kardec. O atacante driblou o goleiro, fez 2 a 0 e, por ironia do destino, torceu o tornozelo esquerdo na comemoração. Saiu mancando, aplaudido. Da beirada, viu Douglas dar novo passe para gol, agora para Pato. O atacante que vinha brigado com as redes bateu rasteiro e correu para o abraço.

Era um treino de ataque contra defesa com soberania são-paulina. No último lance da etapa final, contudo, Kadu diminuiu após aproveitar uma linha de impedimento errada.

O gol sofrido diminuiu o ímpeto de festa para o tom de cobranças no intervalo. Mais uma vez os jogadores de Muricy lamentavam um erro atrás.

Mas tudo parece ter sido corrigido no vestiário. O segundo tempo teve um show de contragolpes bem feitos e, ao mesmo tempo, desperdiçados pelos donos da casa. Kaká, que queria deixar sua marca, arrancou o "uh" da torcida, ao driblar e bater raspando. Pato, logo depois, o imitou. Quase. O Vitória só chegava nos chuveirinhos, sem sucesso.

O reencontro das vitórias chega em momento bom ao São Paulo, que vai motivado para a confirmação da vaga na Copa do Brasil, quarta-feira, diante do Bragantino e, principalmente, para o clássico com o Palmeiras, domingo, no Pacaembu. 

FICHA TÉCNICA:

SÃO PAULO 3 X 1 VITÓRIA

SÃO PAULO - Rogério Ceni; Douglas, Rafael Toloi, Antonio Carlos (Paulo Miranda) e Reinaldo; Denilson, Souza, Paulo Henrique Ganso (Ademilson) e Kaká; Alexandre Pato e Alan Kardec (Osvaldo). Técnico: Muricy Ramalho.

VITÓRIA - Wilson; Ayrton, Alemão, Kadu e Euller (Mansur); Adriano, Luis Aguiar, Richarlyson (Willie) e Marcinho (José Welison); Caio e Dinei. Técnico: Jorginho.

GOLS - Alexandre Pato, aos 16 e aos 38, Alan Kardec, aos 31, e Kadu, aos 46 minutos do primeiro tempo.

ÁRBITRO - André Luiz de Freitas Castro (GO).

CARTÕES AMARELOS - Antonio Carlos, Osvaldo, Kaká, Douglas, Denilson (São Paulo); Euller, José Welison (Vitória).

PÚBLICO - 29.202 torcedores.

RENDA - R$ 869.534,00.

LOCAL - Estádio do Morumbi, em São Paulo (SP).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.