Rubens Chiri/São Paulo FC
Rubens Chiri/São Paulo FC

Pato tenta evitar seis meses de jejum no São Paulo

Atacante busca acabar com seca contra o Santo André, neste domingo, no Bruno José Daniel

Guilherme Amaro, O Estado de S.Paulo

09 de fevereiro de 2020 | 04h30

Se não balançar a rede hoje, contra o Santo André, o atacante Alexandre Pato vai completar seis meses sem marcar pelo São Paulo. O último gol do jogador foi no clássico com o Santos, em 10 de agosto do ano passado, quando anotou duas vezes na vitória por 3 a 2 no Morumbi, pelo Brasileiro. Uma das principais contratações de 2019 e um dos salários mais altos do clube, cerca de R$ 700 mil mensais, Pato luta para encerrar o jejum e deslanchar.

O atacante perdeu espaço no fim de 2019 com o técnico Fernando Diniz e não foi utilizado nos últimos seis jogos da temporada passada – sem contar o duelo com o CSA, na rodada final do Campeonato Brasileiro, porque os principais atletas já estavam liberados para férias. Neste ano, ele iniciou como reserva e assumiu a posição de titular nas duas últimas partidas por causa da lesão de Helinho.

Pato foi elogiado por Diniz especialmente após o empate por 1 a 1 com o Novorizontino, quando teve dois gols mal anulados pelo árbitro Flávio Roberto Mineiro Ribeiro – o juiz e os auxiliares Vitor Metestaine e Enderson da Silva foram afastados pela Federação Paulista.

 

“O Pato está se esforçando. Acho que o mais importante nesse momento é que o esforço e a dedicação dele estão sendo reconhecidos pelo torcedor. Ele está trabalhando muito e tem colaborado defensivamente. Seria muito importante que as bolas tivessem entrado(validadas pelo juiz).Isso relaxa, tira um pouco do peso. Mas estamos contentes com o que tem feito nos treinos. O gol é questão de tempo”, elogiou Diniz. 

Nestes quase seis meses de jejum, Pato participou de 12 partidas (oito em 2019 e as quatro primeiras desta temporada). Neste ano, Diniz tem escalado o jogador em outra função do ataque, mais como centroavante, deslocando Pablo para o lado do campo. Depois da estreia em 2020, o treinador explicou o motivo da mudança de posição. 

“Ele é um 9 que pode ser 9,5, pode cair pelos lados. Não é um 9 fixo. Ele é um jogador muito perigoso. Acho que um jogador com a técnica que ele tem precisa ficar próximo do gol, e ali ele vai estar próximo do gol sempre. Acho que o Pato tem tudo para fazer uma boa temporada e ajudar o São Paulo.”

Contratado em março de 2019, Pato soma 26 jogos e cinco gols nesta sua segunda passagem pelo São Paulo. Quando defendeu a equipe pela primeira vez, entre 2014 e 2015, o atacante marcou 38 vezes em 98 partidas. Ele tem vínculo com o clube até o fim de 2022.

Pato chegou ao São Paulo após pagar 2,5 milhões de euros (R$ 11 milhões na época) para rescindir seu contrato com o Tianjin Tianhai, da China. Ele será ressarcido pelo clube tricolor, que bancou 300 mil euros (R$ 1,3 milhão) ao atacante no ano passado e ainda terá de pagar mais 2,2 milhões de euros (R$ 9,7 milhões), parcelados em três vezes, até o fim do contrato em 2022.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.