Ricardo Duarte / S.C. Internacional
Ricardo Duarte / S.C. Internacional

Patrick contesta acréscimos, mas exalta atuação do Inter contra o Flamengo

Volante também elogia o adversário e diz que Inter poderia ter tido mais a posse da bola no segundo tempo

Redação, Estadão Conteúdo

25 de outubro de 2020 | 21h45

Patrick contestou os sete minutos de acréscimos atribuídos pelo árbitro Wilton Pereira Sampaio no empate por 2 a 2 entre Internacional e Flamengo, na noite deste domingo, no Beira-Rio. O time gaúcho vencia até os 50 minutos do segundo tempo, quando sofreu o gol marcado por Éverton Ribeiro.

"Sete minutos de acréscimos sem VAR ou qualquer tipo de paralisação é um pouco demais. Mas temos que sair com a cabeça erguida. Sentimos incomodados com esse número e ponto final. Não vou falar mais sobre arbitragem", disse Patrick.

O duelo, um dos melhores do Campeonato Brasileiro até o momento, foi exaltado pelo meia Patrick, um dos destaques da equipe ao lado de Thiago Galhardo. Ele lamentou o resultado, mas destacou a partida como toda.

"Fizemos um grande jogo, talvez poderíamos ter mais posse no segundo tempo, jogar mais na frente. Eles tiveram volume, acabaram marcando no final. São duas equipes grandes que brigam pelo título, era previsto uma grande partida. Os dois times estão de parabéns. Queríamos a vitória, falou.

Sobre o condicionamento físico - Flamengo pareceu mais inteiro na etapa complementar -, Patrick lembrou que o time carioca poupou no último duelo da Libertadores. "Eles estão mais descansados para fazer uma apresentação em termos físicos. O professor Domenec poupou na última partida, mas é isso. Temos que descansar e nos doar ao máximo dentro de campo. Correspondemos muito bem em cima dos nossos objetivos", completou.

Com o resultado, o Internacional continuou na liderança do Campeonato Brasileiro com 35 pontos, assim como o Flamengo, mas levando a melhor no saldo de gols: 15 a 11.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.