Wilton Junior/Estadão
Wilton Junior/Estadão

Paulinho exalta luta e concentração do Brasil e, mesmo sacado, diz que evoluiu

Volante admite que a seleção brasileira não teve uma partida das mais brilhantes diante da Costa Rica

Leandro Silveira e Marcio Dolzan, enviados especiais / São Petersburgo, O Estado de S.Paulo

22 Junho 2018 | 14h26

A vitória conquistada nos acréscimos do segundo tempo diante da Costa Rica, nesta sexta-feira, por 2 a 0, em São Petersburgo, demonstrou virtudes da seleção brasileira. Essa foi a avaliação do volante Paulinho, apontando que a seleção brasileira conseguiu manter a concentração para assegurar o triunfo no compromisso válido pela segunda rodada do Grupo E da Copa do Mundo.

+ Neymar exagera, juiz consulta o VAR e anula pênalti para o Brasil

+ Gabriel Jesus pede mais apoio aos torcedores: 'Críticas a gente tem demais'

+ Neymar desabafa nas redes sociais após vitória: 'Falar até papagaio fala'

Paulinho reconheceu que o Brasil não foi brilhante no duelo realizado na Arena Zenit. Mas destacou que a vitória deixa a equipe em situação mais tranquila na briga pela classificação às oitavas de final, com quatro pontos somados em dois compromissos. O próximo jogo da seleção está marcado para quarta-feira, em Moscou, diante da Sérvia.

"Nossa equipe não desistiu, se manteve concentrada para poder fazer o resultado", disse. "O mais importante na Copa é conseguir o resultado positivo para dar sequência. Vamos em busca da nossa classificação na próxima partida", afirmou Paulinho, com a experiência de quem participa da sua segunda Copa do Mundo consecutiva pela seleção brasileira.

 

Paulinho é um dos jogadores de confiança do técnico Tite e também um dos destaques da seleção sob o comando do treinador, mas ainda não engrenou neste Mundial. Após ser substituído durante o empate por 1 a 1 com a Suíça, para a entrada de Renato Augusto, ele voltou a ser sacado contra a Costa Rica. Quando o jogo estava empatado por 0 a 0, o treinador ousou ao tirá-lo e promover a entrada de Roberto Firmino.

Ainda assim, Paulinho avaliou que apresentou evolução em comparação ao seu jogo de estreia na Copa da Rússia. "Fui melhor do que na primeira partida, criei chances de gol e dei passes para os meus companheiros. Pena o gol não ter saído, mas o goleiro deles também fez defesas importantes", afirmou o meio-campista do Barcelona, se referindo ao bom entendimento com Douglas Costa no começo da etapa final e também ao grande desempenho do goleiro costarriquenho Keylor Navas.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.