Lluis Gene/AFP
Lluis Gene/AFP

No Barcelona, Paulinho ressurge mais uma vez na carreira

Volante soma recuperações incríveis no Corinthians, seleção e agora na Espanha

Wilson Baldini Jr., O Estado de S. Paulo

19 Outubro 2017 | 12h25

Oitavas de final da Copa Libertadores da América de 2010. O Corinthians vencia o Flamengo, por 2 a 1, mas o time precisava de mais um gol para ganhar a vaga na próxima fase. Os quase 40 mil corintianos se revoltaram quando o técnico Mano Menezes colocou o novato Paulinho, recém-chegado do Bragantino, no lugar de Alessandro, com a missão de conseguir mais um gol para o time de Parque São Jorge.

+ Messi toma pastilha durante jogo.  Veja!

Com grande disciplina tática, ótimo preparo físico e visão de jogo para encontrar brechas nas zagas adversárias para marcar gols decisivos, Paulinho ganhou a confiança dos exigentes torcedores, calou a boca dos críticos e se tornou em um dos principais jogadores do País. Em 2012, foi um dos líderes do Corinthians campeão da Libertadores e do Mundial de Clubes da Fifa, após o título nacional no ano anterior.

Mais dois anos na vida de Paulinho e um novo panorama tomou conta de sua carreira profissional. Foi negociado com o Tottenham, da Inglaterra. Em 67 jogos, apenas dez gols, e muito tempo sentado no banco de reservas. Sofreu duras críticas, a ponto de ser apontado em março deste ano como o pior jogador da história do clube.

Em um momento conturbado, fez parte do maior fracasso da história do futebol, ao integrar a seleção que levou 7 a 1 da Alemanha, na semifinal do Mundial no Brasil.

Em baixa, trocou o futebol europeu pelo chinês. Para muitos, seu futebol ficaria escondido, em troca de dinheiro. Que nada! Chamado por Tite, o mesmo treinador dos períodos de glória do Corinthians, reencontrou seu melhor futebol e teve grande participação na campanha da seleção brasileira nas Eliminatórias Sul-Americanas.

Além do desempenho favorável, Paulinho ainda dividiu a artilharia da seleção, com Neymar, ambos com seis gols, superado apenas por Gabriel Jesus, com sete. O volante teve seu melhor momento no jogo com o Uruguai, em Montevídeu, ao marcar três vezes na goleada por 4 a 1.

Em agosto, surpreendeu o mundo ao ser contratado pelo Barcelona, logo após a saída de Neymar para o Paris Sain-Germain. Mais uma vez o mundo caiu nas costas de Paulinho. A imprensa espanhola não perdoou a diretoria do Barça por trazer um jogador do futebol chinês para o lugar de um dos melhores do mundo e pagar R$ 151 milhões. Até um vídeo no qual Paulinho falha ao fazer embaixadas foi sucesso na internet.

Calado, humilde e trabalhador, Paulinho mais uma vez deu a volta por cima. Em menos de dois meses em Barcelona, o brasileiro ganha espaço a cada partida. Na quarta-feira, na vitória sobre o Olympiacos, por 3 a 1, Paulinho foi pela primeira vez titular do time catalão. Acertou 111 dos 114 passes durante o jogo, a ponto de o jornal Sport escrever que o jogador "justificou o custo".

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.