Paulista: aposta de Zetti deu certo

A campanha do Paulista de Jundiaí, vice-líder do Grupo 2 do Campeonato Paulista, com 13 pontos, um a menos que o Santos, não surpreende o técnico Zetti. Há quase um ano no comando - chegou dia 20 de março do ano passado -, o ex-goleiro apostou na base da equipe que disputou a Série B do Brasileiro do ano passado para tentar fazer um bom papel no Paulistão.E tem dado certo. O clube do interior é o que mais ganhou, ao lado de Santos e São Paulo, com quatro vitórias, e o segundo melhor ataque da competição, 15 gols, atrás apenas da equipe santista, que marcou 19 vezes. O técnico está otimista: "Estamos trabalhando com a idéia de chegar em primeiro ou em segundo lugar. Vamos, primeiro, correr atrás da classificação. Depois, sim, vamos pensar mais para a frente. Aqui no Paulista a gente trabalha por etapas."Em seu primeiro clube profissional como treinador de futebol, vem dando conta do recado. "Não existe segredo algum. O bom do time é que estamos jogando juntos desde o ano passado. Temos entrosamento", afirma Zetti. "E ainda temos 15 jogadores formados aqui. Já se conhecem. Isso ajuda muito. A base é fundamental."Antes de assumir o Paulista, treinou apenas as categorias de base do São Paulo e fez estágio com dois dos principais técnicos do futebol brasileiro: Vanderlei Luxemburgo, no Cruzeiro, e Carlos Alberto Parreira, à época em que o treinador da Seleção Brasileira ainda dirigia o Corinthians. O começo no Campeonato Paulista, apesar da derrota de 5 a 2 para o Palmeiras, foi visto por Zetti como bom início. Mesmo com o resultado, o treinador já sentia que o seu time renderia bem.Os números de Zetti à frente do Paulista são favoráveis. Em 29 partidas oficiais, venceu 13, empatou nove e perdeu sete vezes. O treinador não esconde que gosta de colocar a sua equipe no ataque. E prova com os números.Zetti não quer que a boa campanha contagie demais o grupo. Sábado, há um jogo importante em Araras, contra o União São João, que perdeu os cinco jogos que disputou no Estadual. "Talvez seja o jogo mais difícil, até pelo último resultado do União (perdeu para o Santos por 8 a 3, domingo). Tudo vai depender do que fizermos. Se os jogadores continuarem bem, tudo dará certo", disse. Depois do União, o adversário é o Santos, dia 25, jogo que pode valer a liderança. Será um jogo diferenciado. Se pensarmos grande, podemos ganhar"Em relação ao elenco, o treinador aponta três jogadores que têm desequilibrado: os meias Aílton, ex-São Paulo, Canindé, ex-Santos e Thiago Almeida.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.