Paulista comemora vantagem

A derrota da Ponte Preta - 2 a 1 para o Rio Branco - foi muito comemorada pelo Paulista. O time de Jundiaí já havia previsto o confronto com o clube campineiro pelas quartas-de-final do Campeonato Paulista, mas não com a vantagem de jogar em casa, no estádio Jaime Cintra. Os dirigentes acreditavam em vitórias de Santos, Palmeiras e Ponte. Isso derrubaria o Paulista para o terceiro lugar do Grupo 2, enquanto a Ponte ficaria em segundo no Grupo 1. Com esse pensamento, o presidente Eduardo Palhares foi até Campinas, juntamente com o auxiliar-técnico Marcos Biasotto, para assistir ao jogo da Ponte com o Rio Branco. Assim, poderia avaliar o adversário e as condições do campo. No entanto, a situação se inverteu. Após o término da rodada, o time jundiaiense ficou com o segundo lugar e a Ponte caiu para o terceiro. A situação foi muito comemorada por Palhares. "Garantimos a segunda vaga no grupo mais difícil. Ficamos à frente de grandes times como Palmeiras e São Caetano", vibrou. Já bem informado sobre o próximo adversário, o técnico Zetti elogiou o time pontepretano. "Está certo que jogaremos em casa e a torcida nos apoiará, mas temos que tomar cuidado com as jogadas de bola parada, pois a Ponte tem um time muito alto", frisou. Embora tenha terminado na frente do time campineiro, o Paulista terá somente a vantagem de fazer o jogo único em casa. Em caso de empate, a decisão irá para a prorrogação e, se persistir o resultado, para os pênaltis. Em princípio, não há problemas para escalar o time.

Agencia Estado,

15 de março de 2004 | 13h43

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.