Paulista: confiança e cautela em Minas

Cautela e confiança são as palavras de ordem no Paulista para a partida mais importante de sua história, contra o Cruzeiro, nesta quarta-feira, pela semifinal da Copa do Brasil. Utilizando a mesma estratégia das decisões anteriores na própria competição, o técnico Vágner Mancini acha importante o time ter consciência da boa vantagem que abriu ao vencer a partida de ida, em casa, por 3 a 1, mas quer seus jogadores acreditando que podem fazer um gol no Mineirão.Se depender do retrospecto jogando fora de casa nas duas competições que disputa, o Paulista fica com a vaga. Até agora ainda não perdeu nenhuma vez por dois gols de diferença, nem na Copa do Brasil (em sete jogos foram cinco empates e apenas duas derrotas por 1 a 0, contra Internacional e Figueirense), muito menos no Campeonato Brasileiro da Série B. Assumindo a responsabilidade do gol, o atacante Finazzi, artilheiro do último Campeonato Paulista, com 17 gols, se diz pronto. "Fui contratado para fazer gols. Sabemos das dificuldades, mas estarei lá se a oportunidade pintar", adiantou. Ele é o artilheiro do time na Série B, com cinco gols.Outra estratégia traçada por Mancini para o jogo é a de jogar nos erros do time mineiro. "Se o adversário nos der espaço, vamos ocupá-los. Se a torcida se impacientar, vamos tirar proveito disso". O técnico ainda justificou sua atitude de só revelar a escalação do time nos vestiários do Mineirão. "Pode nos ajudar em campo, mas também não vai ajudar o Cruzeiro", finalizou em tom de bom humor. Mas ele já adiantou que seu time não ficará "todo lá atrás esperando ser morto pelo adversário".Mesmo com o mistério, o técnico deixa transparecer que se preocupará um pouco mais com a defesa, assim como vinha fazendo nos primeiros embates da competição, quando ainda não contava com jogadores como Juliano e Finazzi. Portanto, o esquema com três volantes deve voltar com o retorno do volante Amaral, que cumpriu suspensão. Juliano deve ser sacado do time. Ainda na defesa, o zagueiro Anderson também retorna ao time após cumprir suspensão e ocupa a vaga que foi do jovem Réver. A delegação viajou pela manhã para a capital mineira e à tarde fez um treino recreativo no Centro de Treinamento do Atlético Mineiro, rival do Cruzeiro.A torcida organizada Gamor está organizando uma caravana para o estádio e cerca de quatro ônibus já foram fechados e cerca de 350 ingressos já foram encomendados. A promoção continua e o pacote da viagem mais os ingressos saem por 50 reais. Os diretores da organização ainda tentam patrocínio e o valor pode diminuir. Um contato com a torcida Galoucura, do Atlético-MG, foi feito para facilitar a articulação na cidade de Belo Horizonte.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.