Paulista confiante em derrubar Cruzeiro

Depois de surpreender os adversários ao alcançar as semifinais da Copa do Brasil, o Paulista espera ir mais longe na competição e derrubar o poderoso Cruzeiro. Esta é a disposição e confiança no Estádio Jaime Cintra, onde o clima ainda é de festa pela eliminação do Figueirense, quarta-feira. Dirigentes, comissão técnica e jogadores não vêm problema nem no fato de que o segundo jogo desta fase será realizado no Mineirão. Os mandos de campo foram definidos, através de sorteio, nesta quinta-feira na sede da CBF, no Rio de Janeiro. O primeiro jogo será disputado em casa, dia 25, quarta-feira, em Jundiaí, e o segundo, dia 1.º de junho, no Mineirão. Quem puxa a corrente otimista é o técnico Vágner Mancini, que se diz ainda insatisfeito com a posição alcançada pelo time até agora. Segundo ele, seus jogadores podem levar o Paulista ainda mais longe. "É claro que no início da competição não esperávamos chegar tão longe. Mas com a força do elenco e a qualidade dos jogadores, conseguimos atingir uma posição de destaque. Agora vamos brigar para chegar à final", disse o treinador. A classificação às semifinais gerou euforia na cidade de Jundiaí. No entanto, o próximo adversário, o Cruzeiro, exige cuidados e respeito. "Vamos enfrentar um time do primeiro escalão do futebol nacional. Vamos respeitá-los, porém, não vamos temê-los", explicou Mancini que se vê obrigado a dividir suas atenções com o Campeonato Brasileiro da Série B. O próximo jogo será contra o São Raimundo, domingo, em casa. Com seis pontos e ocupando a décima posição, o Paulista pretende aproveitar o fator campo e vencer. O time será definido após o coletivo desta sexta-feira à tarde, mas é possível que alguns jogadores sejam poupados. Mancini vai conversar com o elenco antes de definir o time. Estádio liberado - O Estádio Jaime Cintra foi liberado para o primeiro jogo das semifinais da Copa do Brasil, embora não atenda literalmente o regulamento em seu artigo 29, que exige capacidade mínima de 15 mil espectadores. O site oficial do clube, porém, anuncia como 14.770 torcedores. A situação foi contornada, com bom senso, pela própria CBF. "Temos que admitir, é uma faixa de diferença tão pequena... Menos de 3% do mínimo solicitado", explicou, no Rio de Janeiro, o diretor técnico da entidade, Virgílio Elísio. Ele solicitou apenas à Federação Paulista de Futebol que "dê um jeito de se receber 300 ou 400 torcedores a mais especialmente neste confronto". Ainda delirando com a façanha do Galo do Japi na Copa do Brasil, a cidade amanheceu ainda de ressaca com a festa de quarta-feira à noite, após o eletrizante jogo com o Figueirense - 1 a 0 no tempo normal e 3 a 1 nos pênaltis. A promessa da torcida é de lotar o estádio, como já fez em fase anteriores, diante do Internacional e do próprio time catarinense.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.