Paulista é campeão da Copa do Brasil

O Paulista conseguiu segurar um empate em 0 a 0 com o Fluminense, nesta quarta-feira, no estádio de São Januário, no Rio de Janeiro, e conquistou o título inédito da Copa do Brasil. No primeiro jogo, em casa, a equipe de Jundiaí havia vencido por 2 a 0.A maior conquista da história do Paulista, nesta quarta-feira, só foi possível graças à aula dos zagueiros Anderson e Dema, às defesas do goleiro Rafael, à competência do técnico Vágner Mancini e à liderança de Márcio Mossoró. O empate sem gols com o Fluminense qualificou o time de Jundiaí à disputa da Copa Libertadores da América em 2006, numa noite inesquecível para cerca de 300 torcedores que viajaram de ônibus até São Januário a fim de prestigiar o novo campeão da Copa do Brasil. "Foi o título da simplicidade, de quem superou seis adversários da elite do futebol brasileiro", disse Vágner Mancini, referindo-se aos clubes que o Paulista passou até ser campeão: Juventude, Botafogo, Internacional, Figueirense, Cruzeiro e Fluminense, todos da primeira divisão nacional. O fracasso do Fluminense foi mais impactante para seu treinador, Abel Braga. Ele amargou o bi-vice-campeonato da competição, e em circunstâncias parecidas. Ano passado, pelo Flamengo, perdeu também no Rio de outra equipe do interior de São Paulo, o Santo André. "Vida que segue. Mas cheguei a duas finais seguidas da Copa do Brasil", afirmou. O Paulista dera um passo muito importante, na semana passada, para a conquista do título: ao vencer o Fluminense no primeiro jogo por 2 a 0, com atuação destacada de Márcio Mossoró e Christian, sondados pelo próprio Tricolor carioca tão logo as duas equipes se classificaram para a final da Copa do Brasil. A ?La Bombonera? do Vasco, como pode ser classificado o estádio de São Januário, não intimidou o time do Paulista, apesar do entusiasmo inicial de mais de 25 mil tricolores. O nervosismo estava mais do lado carioca. Logo no segundo erro de passe do Fluminense, Abel Braga levava as mãos à cabeça. Parecia prever que a noite estava reservada para os visitantes. A aplicação do Paulista foi digna de um time campeão. Mas a equipe demonstrou algo mais. Na zaga, a atuação de Dema e Ânderson poderia servir de exemplo para Roque Júnior, Juan e Lúcio, os escolhidos de Carlos Alberto Parreira para o setor, na seleção brasileira. Todas as bolas alçadas sobre a área do Paulista foram interceptadas pela dupla. Os quatro volantes escalados por Mancini funcionaram muito bem e Márcio Mossoró mais uma vez chamou para si a marcação dos tricolores. Fundado em 1909, o Paulista chegara mais próximo do pódio do futebol em 2004, quando ficou em segundo lugar no Campeonato Paulista, perdendo para o São Caetano. Nesta quarta, mesmo longe de casa, entrou para o rol dos grandes times brasileiros.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.