Paulista e São Paulo reclamam da CBF por dinheiro

Os jogadores estão pressionando a diretoria do Paulista, de Jundiaí, por causa de salários atrasados. Os dirigentes respondem que a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) ainda não repassou a cota de US$ 80 mil (cerca de R$ 170 mil) correspondente ao jogo contra o River Plate, dia 5 de abril.O caso do Paulista não é o único entre os clubes brasileiros que estão disputando a Libertadores. Nesta quarta-feira, o diretor de planejamento do São Paulo, João Paulo de Jesus Lopes, disse que o clube também não recebeu a cota da partida contra o Chivas, dia 5 de abril.?No ano passado, quando a Confederação Sul-Americana fazia o depósito direto para o clube, o pagamento não atrasava. Agora, com a burocracia, o atraso é de duas semanas em média?, disse o diretor do São Paulo. O Corinthians, entretanto, assegura que está recebendo normalmente as cotas.Para a direção do Paulista, a situação é delicada. ?Nós conseguimos que a Confederação Sul-Americana antecipasse US$ 80 mil do total de US$ 100 mil. Temos até documento assinado pelo presidente da Sul-Americana, Nicolás Leoz, confirmando o envio. Mas o dinheiro não chega ao clube. Agora virão mais US$ 20 mil e não sabemos quando veremos o dinheiro. E estamos com sérios problemas para saldar nossas dívidas?, explica um dirigente do clube.A assessoria da CBF disse que o dinheiro enviado pela Conmebol só chegou nesta quarta e estava cuidando de repassá-lo imediatamente ao clube de Jundiaí.

Agencia Estado,

19 de abril de 2006 | 18h47

Tudo o que sabemos sobre:
libertadores

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.