Paulista evita o clima de euforia

O Paulista fez a lição de casa. O resultado de 2 a 0 conquistado sobre o Fluminense, na noite desta quarta-feira, em Jundiaí, dá folga suficiente para a equipe administrar no jogo de volta, dia 22, em São Januário, no Rio. Mesmo asim, todos saíram de campo com o discurso de que ainda nada está ganho."Fizemos apenas a primeira parte. Temos mais noventa minutos e o Fluminense é muito forte jogando em São Januário e com o apoio de sua torcida. Teremos de ter cuidado. Não podemos comemorar nada", resumiu o goleiro Rafael, um dos destaques do time de Jundiaí.Mas os maiores destaques da partida foram mesmo Márcio Mossoró e Léo, os mais assediados por imprensa e torcida. O primeiro por ter sido o melhor em campo e o segundo por ter marcado o gol que abriu ainda mais a vantagem sobre o rival carioca."Todos estão de parabéns pela garra e pela determinação que mostramos em campo", afirmou Mossoró.Léo só não teve mais motivos para comemorar porque recebeu o terceiro cartão amarelo e está fora da finalíssima no Rio de Janeiro. "Abrimos uma boa vantagem, mas pena que fui punido por comemorar o gol no alambrado", lamentou.O atacante Finazzi, que, segundo a versão oficial do Paulista não jogou em razão de uma lesão antiga no tornozelo, pode estar de saída para o Santo André. O atraso no pagamento do salário (R$ 40 mil) teria irritado o jogador e colocado ponto final em sua rápida passagem por Jundiaí.A diretoria nega o fato e garante que o atacante Finazzi estará à disposição para o jogo contra o Avaí, sábado à tarde, em Jundiaí, pela Série B do Brasileiro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.