José Patrício/Estadão
José Patrício/Estadão

PAULISTÃO 2014: Esperança de título para o Palmeiras no centenário

Com novo time, meta é dar a primeira grande alegria para a torcida em um ano tão especial

Daniel Batista e Marcius Azevedo, O Estado de S.Paulo

18 de janeiro de 2014 | 05h04

SÃO PAULO - O ano de 2014 é especial para o Palmeiras. O clube completa seu centenário, volta à Série A do Brasileiro e ainda terá a inauguração da Allianz Parque, sua nova casa. Por isso, em todas as competições, a pressão por títulos será ainda maior e o Campeonato Paulista é o primeiro grande desafio.

Apesar das dificuldades financeiras, a diretoria conseguiu reformular o time e melhorou consideravelmente o elenco em comparação ao ano passado. Outro ponto importante foi o fato de ter mantido os principais jogadores, como Valdivia, Alan Kardec, Leandro e Wesley.

Dos titulares, apenas Vilson foi embora. E as contratações que chegaram foram todas apostas, mas de formas diferentes. Artilheiro do time no ano passado, Leandro teve uma longa negociação para renovar o vínculo, mas a novela acabou com um final feliz e ele foi contratado pelo clube. Ao lado de Alan Kardec, forma uma dupla de ataque que para muitos está entre as melhores do futebol brasileiro.

Embora a filosofia de implantar o contrato de produtividade para os atletas tenha criado polêmica, a diretoria alviverde conseguiu fazer boas e variadas contratações. O clube buscou algumas promessas que se destacaram ano passado, como o lateral-esquerdo William Matheus e o atacante Rodolfo, de Goiás e Rio Claro, respectivamente.

Para não sofrer com a falta de maturidade do elenco, o presidente Paulo Nobre também acertou a contratação de atletas mais experientes e que precisam recuperar o moral, como o zagueiro Victorino, que estava no Cruzeiro e não atua desde outubro de 2012, e do xerifão Lúcio, de 35 anos, afastado no rival São Paulo desde julho do ano passado.

Somando com a base do time do ano passado, a confiança do técnico Gilson Kleina em conseguir grandes resultados e brigar pelo título é grande. “Será um campeonato duro e diferente. O Paulista é o regional mais equilibrado do País. Os times do interior sempre estão muito fortes e esse ano os grandes estarão se dedicando à competição, já que não estarão na Libertadores. Mas tenho certeza de que estamos preparados e faremos um bom papel”, analisou.

E as palavras do treinador parecem contagiar o elenco. O goleiro Fernando Prass acredita que o time tem grandes chances de conquistar um título no ano. “Nós ganharemos alguma coisa, mas temos adversários da mesma qualidade que também têm esse pensamento. Por isso, precisamos trabalhar bastante.”

No ano passado, embora a prioridade tenha sido a disputa da Série B do Brasileiro, a campanha da equipe no estadual foi bastante decepcionante. O time terminou a primeira fase na modesta sexta colocação e foi eliminado nas quartas de final pelo Santos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.