Paulistão: decisão do STJD sai amanhã

A última esperança do Santos em disputar a final do Paulista deste ano está nas mãos do presidente do Superior Tribunal de Justiça Desportiva, Luiz Zveiter. Ele decidirá amanhã (24) se concede ou não liminar ao mandado de garantia impetrado hoje pelos advogados santistas. O clube quer a anulação da partida entre Santos e Corinthians, em que dois jogadores adversários - Maurício e Ricardinho - usaram o "ponto eletrônico". Derrotados por 2 a 1, os santistas foram desclassificados e pretendem, caso o jogo seja anulado, a realização de outro para definir o finalista. O presidente Marcelo Teixeira está certo de que o pedido do Santos será atendido, pois estava baseado em decisão da Fifa."Aguardamos esse pronunciamento porque não queríamos embarcar numa aventura jurídica", justificou-se. Entretanto, o principal comentário na cidade era sobre as razões que teriam levado o clube a entrar na justiça desportiva com uma ação que os juristas da área entendem ter pouca chance de sucesso.Um conselheiro que pediu para não ser identificado comentou que "tudo não passa de um factóide para esconder o que se passa no clube". A desclassificação no Paulista tirou a chance de o Santos arrecadar mais R$ 4 milhões, valor que o campeão receberá. Com isso, a diretoria ficou numa situação ainda mais delicada: há informações de que os pagamentos foram colocados em dia mediante a emissão de cheques na sexta-feira, antevéspera da partida contra o Corinthians. Com a derrota, os cheques teriam sido sustados na segunda-feira. A diretora não confirma essa informação e, providencialmente, os jogadores entraram em férias, diminuindo a pressão para receber eventuais salários atrasados.Por outro lado, ainda não foi marcada a data para a apreciação das contas do ano passado pelo Conselho Deliberativo. Os estatutos determinam que isso ocorra em março e o presidente do órgão, Esmeraldo Traquínio Neto, justifica o atraso com o argumento de que o time estava na disputa do Paulista e a discussão desse assunto naquele momento poderia prejudicar a campanha dentro de campo.Enquanto administra toda essa crise, os dirigentes começam esta semana a negociar a formação da equipe para a disputa do Brasileiro. Dodô e Caio, donos de seus passes, deixam a Vila Belmiro e Rincón dificilmente aceitará retornar ao Santos. É mais provável que ele execute o clube para receber os R$ 4 milhões que alega ter a receber.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.