Evelson de Freitas/Estadão
Evelson de Freitas/Estadão

Paulistão terá limite de 25 inscritos, mas base é liberada

Após pressão dos clubes, federação decide mudar regulamento e abre espaço para garotos

Raphael Ramos, O Estado de S.Paulo

20 de julho de 2017 | 07h00

Após muita reclamação nas últimas edições do Campeonato Paulista, o limite de 28 atletas inscritos por equipe mudará a partir da próxima temporada. Clubes e Federação Paulista de Futebol já fecharam questão sobre o assunto e a mudança será oficializada no Conselho Técnico, em outubro.

A referência vai ser o modelo europeu, utilizado na Liga dos Campeões e nos campeonatos Inglês e Espanhol. Em 2018, será permitida a inscrição de até 25 atletas e não haverá limite para jogadores promovidos das categorias de base.

Serão considerados atletas da base garotos de 16 a 21 anos completados até o fim da temporada com registro ativo no clube há pelo menos um ano e que, no período, tenham disputado uma competição oficial de base. A partir de 2019, o prazo de “carência” aumentará para 18 meses de registro. Pela proposta discutida entre os clubes e a federação, este período vai ampliar com o passar do tempo e deve chegar a três anos, prazo mínimo estipulado pela Uefa.

O limite de 28 atletas inscritos no Paulistão era alvo de críticas, sobretudo dos treinadores de São Paulo, Palmeiras, Corinthians e Santos. A principal queixa era que a restrição garantia a presença dos principais jogadores no Estadual, mas vetava a utilização de jovens talentos das categorias de base.

Como o Paulistão é disputado no primeiro semestre, muitos atletas ainda estão fora de forma por conta das férias e a ideia dos treinadores é usar a competição para dar rodagem aos garotos recém-promovidos das categorias de base, inclusive aqueles que participam da Copa São Paulo. 

Participaram das discussões que definiu a mudança no regulamento do Paulistão o vice-presidente de Integração com Atletas da federação, Mauro Silva, e representantes dos clubes da Série A-1, entre eles Cícero Souza, gerente de futebol do Palmeiras, Alessandro, gerente de futebol do Corinthians, e Pintado, do São Paulo.

“A liberação da base foi um assunto que debatemos muito com os clubes. Falei com os presidentes, o Mauro Silva conversou com técnicos, comissões técnicas e executivos do futebol. Funciona assim nas principais ligas do mundo e entendemos que será um grande avanço para o futebol”, afirma Reinaldo Carneiro Bastos, presidente da federação.

Tudo o que sabemos sobre:
Campeonato PaulistaFutebolCorinthians

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.