Paulistas crêem em técnicos no Rio-SP

Os principais times do eixo Rio-São Paulo, em especial os clubes paulistas, devem reservar grandes novidades para 2002. A maioria das equipes deverá estar bastante diferente daquelas que disputaram o Campeonato Brasileiro no mês passado. As mudanças mais radicais devem acontecer no Palmeiras, no Santos e no Corinthians. Em tempo de pouco dinheiro para investir na contratação de grandes craques, os três clubes preferiram apostar na presença de técnicos de personalidade, métodos de trabalho e estratégias de jogo bastante diferentes de seus antecessores.No Corinthians, Vanderlei Luxemburgo deu lugar a Carlos Alberto Parreira. Os dois pouco têm em comum além do fato de terem passado pela seleção brasileira. O primeiro, conhecido por sua personalidade forte, é um respeitado estrategista enquanto o segundo, famoso por sua diplomacia, tem como principal qualidade ser um grande estudioso do futebol. Estilos diferentes, times diferentes, que serão conhecidos ainda esta semana.Desprezado pelo Alvinegro, Luxemburgo voltou para o arqui-rival Palmeiras, time que lhe rendeu as maiores realizações como técnico. O estilo do treinador, em campo e fora dele, pouco tem a ver com o de seus antecessores, o "pastor" Márcio Araújo e o carrancudo Celso Roth. As mudanças deverão se refletir na equipe palmeirense, que tem tudo para receber os benefícios dos dotes de estrategista de Luxemburgo.No Santos, o estilo elegante de Cabralzinho contrasta com a sisudez de Celso Roth, discípulo fiel de seu conterrâneo gaúcho Luiz Felipe Scolari. Como o time terá um "desfalque" importante, Marcelinho Carioca, é pouco provável que o ex-técnico palmeirense possa manter o esquema de jogo de seu antecessor.Já no São Paulo, que manteve Nelsinho Baptista, as mudanças devem acontecer na equipe que perdeu sua principal referência nos últimos anos: o atacante França.Cariocas - Nos clubes cariocas, quase todos em profunda dificuldade financeira, somente o Vasco mudou de treinador, mas nem por isso as equipes que disputaram o Brasileiro serão as mesmas no Rio-São Paulo, por causa da troca de jogadores. No Flamengo, os "bad boys" Edílson e Petkovic estão sendo trocados pelos "bons moços" Leonardo e Juninho Paulista.O Vasco, que perdeu Juninho, uma peça importante no time, ainda não conseguiu garantir a presença de seu principal astro, Romário, para a temporada. No Botafogo e no Fluminense, os dirigentes tentam driblar as dificuldades financeiras e manter a base que disputou o Brasileiro.Em situação mais dramática estão os times do interior paulista. Em profunda crise financeira, Guarani e Ponte Preta tentam negociar os craques revelados no clube para sobreviver enquanto o Jundiaí, que perdeu o apoio da Parmalat, trabalha para garantir o seu futuro.

Agencia Estado,

05 de janeiro de 2002 | 13h35

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.