Paulo Autuori chega ao Cruzeiro com mais dois reforços

O Cruzeiro apresentou nesta quarta-feira o técnico Paulo Autuori, que chegou acompanhado da notícia de mais dois reforços: o volante Renan e o lateral-esquerdo Fábio Santos, ambos do São Paulo, onde trabalharam com o novo treinador da equipe celeste. Com eles, chegam a nove as contratações do Cruzeiro, que já havia fechado com os meias Marcinho, Leandro Domingues e Fellype Gabriel, o volante Ricardinho e os atacantes Pedro Júnior, Rômulo e Nenê.Os dois recém-chegados devem se apresentar nesta quinta-feira, assim como Marcinho, que já acertou salário com o Cruzeiro e aguarda apenas o fechamento do negócio com o Palmeiras. O clube mineiro pagou US$ 750 mil (R$ 1,6 milhão) por metade dos direitos de Renan, enquanto o valor de metade dos direitos sobre Fábio Santos foi fixada em US$ 1 milhão (R$ 2,15 milhões).Autuori se reuniu por meia hora com os jogadores na sua terceira passagem pelo Cruzeiro - a primeira foi em 1997, quando levou o time ao título da Libertadores, e a segunda entre 1999 e 2000. "O Paulo Autuori dispensa apresentações, e depois de sua última passagem aqui, ele enriqueceu ainda mais o seu currículo com grande conquistas, mais uma Libertadores e um Mundial", disse o presidente Alvimar Perrella, citando os títulos conquistados com o São Paulo, em 2005.No ano passado, Autuori trabalhou no Kashima Antlers, do Japão, e chegou a ter seu nome cogitado para treinar a seleção brasileira depois da Copa do Mundo, cujo fiasco resultou na demissão de Carlos Alberto Parreira. "Tenho muito orgulho de voltar para o Cruzeiro, que tem uma torcida extraordinária e acostumada a grandes jogadores e vitórias", afirmou.Conhecido pela discrição e pela fala tranqüila, Autuori diz que não aceita ser alçado à condição de estrela dentro do Cruzeiro. "A minha máxima é de que os protagonistas do futebol são os jogadores e o torcedor. Eles é que fazem a beleza do futebol, o técnico tem que ser o mais discreto possível", observou.Citando "trabalho, ambiente e talento" como pilares de seu trabalho, o técnico, que tem no currículo a conquista do Campeonato Brasileiro de 1995, com o Botafogo, e já treinou a seleção do Peru, afirmou que será bastante exigente com os jogadores. "Espero que todo o grupo esteja disponível para duas coisas: sofrer e se sacrificar. Sem isso não há vitória", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.