Paulo Autuori minimiza retrospecto do Goiás no Olímpico

O técnico Paulo Autuori pregou respeito ao Goiás, adversário do Grêmio neste sábado, pelo Campeonato Brasileiro, mas fez questão de minimizar o aproveitamento favorável dos goianos no Estádio Olímpico.

AE, Agencia Estado

19 de junho de 2009 | 15h12

"Eu particularmente não acredito que uma equipe saiba jogar em determinado lugar. É uma série de circunstâncias, de coincidências, a equipe se sente à vontade, mas são situações diferentes, modelos de jogo diferentes", explicou Autuori nesta sexta-feira.

"O Goiás manteve a estrutura, manteve o técnico, o Hélio dos Anjos. Quanto ao Grêmio, estamos um pouco diferentes, temos que ver depois do jogo. O Goiás sabe jogar aqui porque normalmente é uma equipe de qualidade, fica à vontade nos jogos. Por isso o respeito que temos que ter pelo Goiás. O foco tem que estar totalmente no Goiás", completou.

Em 2008, o Goiás venceu o Grêmio por 2 a 1, em pleno Estádio Olímpico, e acabou comprometendo a campanha pelo título do Brasileirão. Agora, os gaúchos enfrentam o time goiano tentando esquecer a partida da próxima quarta-feira, contra o Cruzeiro, pelas semifinais da Libertadores.

"Esse não é o melhor momento de falar em Cruzeiro. Se falasse, estaria faltando com o respeito a um adversário tradicional no Campeonato Brasileiro, que é o Goiás. Eu vivo respeitando a tudo e a todos. Me recuso a falar de Cruzeiro", reiterou o treinador, que deve poupar Souza, Maxi e Alex Mineiro no jogo deste sábado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.