Sérgio Neves/AE - 28/08/2011
Sérgio Neves/AE - 28/08/2011

Paulo Henrique Ganso: Ele voltou a sorrir

Meia começa a brilha de novo. E os santistas agradecem

Sanches Filho - JT,

30 de agosto de 2011 | 08h28

O gol marcado por Paulo Henrique Ganso contra o São Paulo foi considerado emblemático por seus companheiros e pelos dirigentes santistas, além de ter sido mais um degrau superado no processo de recuperação do futebol do meia, que ainda não engrenou depois que se recuperou de uma gravíssima lesão no joelho esquerdo e de uma lesão muscular.

Após ter sido hostilizado por uma parte da torcida na Vila Belmiro, o meia começa a voltar à condição de ídolo, apagando a imagem negativa que deixou em suas últimas apresentações pela Seleção Brasileira.

Na vitória diante do Bahia, Ganso sofreu um pênalti, convertido por Neymar, e ainda mandou uma bola no travessão. Sua atuação contra o Fluminense foi aceitável e no clássico de domingo ele voltou a ser decisivo. E o mais entusiasmado com os primeiros sinais da volta do verdadeiro futebol do maestro é o presidente do clube, Luís Álvaro de Oliveira Ribeiro.

“O Ganso não está mais triste. Na semana passada, ele foi padrinho do filho de Neymar e, no domingo, fez o golaço contra o São Paulo. Aos poucos, Ganso está desabrochando e tenho certeza de que vai ser decisivo em dezembro, no Mundial de Clubes”, disse o cartola. “O problema dele é só de recuperação física, o que é comum com jogadores com as suas características e diante das lesões que sofreu.”

Segundo o goleiro Rafael, os companheiros de Ganso jamais duvidaram de que era questão de tempo para que ele voltasse a jogar normalmente. “Todos sabem que ele é um grande jogador. Realmente o Ganso vem evoluindo com a sequência de jogos. As cobranças são normais a partir do momento em que o jogador se torna referência.”

O atacante Alan Kardec, por sua vez, ficou feliz pela participação no lance em que Ganso quebrou o jejum de gols que começara no dia 30 de abril. “Foi bacana porque, como sou atacante, todos esperavam que eu finalizasse. Alguns amigos me telefonaram para me cumprimentar por eu ter dado o passe. Eu fico feliz porque sempre considerei o Ganso um jogador decisivo, um camisa dez que faz o time andar.”

Ganso, jogador em atividade no Brasil mais “vendido” no primeiro semestre, vai continuar no Santos pelo menos até a reabertura da janela europeia de transferências, em janeiro. Isso porque a janela de meio de ano vai fechar amanhã e não há sinal de movimentação dos italianos Milan e Internazionale, do francês Paris Saint-Germain ou do português Porto, nem mesmo do Corinthians (que seria usado como ponte para uma futura negociação com um clube da Europa) para apresentar proposta oficial para tirá-lo da Vila.

Nem mesmo o silêncio de Ganso, que há muito tempo não dá entrevistas coletivas e até se recusou a falar com os jornalistas após o jogo de domingo, desperta a suspeita de que haja uma negociação em curso.

Tudo o que sabemos sobre:
FutebolSantos FCPaulo Henrique Ganso

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.