Paulo Henrique nega mágoa com ex-técnico Luxemburgo

O Santos vai reencontrar o seu ex-treinador, Vanderlei Luxemburgo, nesta quarta, contra o Atlético-MG, no Mineirão. Para a maioria dos jogadores será apenas a primeira partida das quartas de final da Copa do Brasil, mas para alguns garotos pode ser a oportunidade de dar uma resposta em campo ao técnico. É que Luxemburgo deu pouco espaço aos pratas da casa santistas, preferindo escalar veteranos.

SANCHES FILHO, Agência Estado

26 de abril de 2010 | 22h54

Mesmo assim, Paulo Henrique Ganso não vê motivo para vingança. "Acredito que não vai ter clima nenhum neste jogo. Eu nunca tive bronca dele, pelo contrário, pois quando ele passou pela Vila Belmiro me deixou à vontade para jogar. E não foi só comigo, outros meninos tiveram o mesmo tipo de tratamento", afirmou nesta segunda-feira o meia.

Ele não guarda mágoa nem mesmo por ter ido para a reserva logo no primeiro jogo da quarta passagem de Luxemburgo pelo Santos, na vitória sobre o Atlético-PR, pelo Campeonato Brasileiro do ano passado. "Pode-se dizer que ele errou naquele jogo. Até porque o Neymar e eu entramos depois e decidimos a partida. Depois disso, virei titular e nunca mais sai da equipe", lembrou Ganso.

Apesar de ter sido considerado um dos responsáveis pela vitória do Santos no primeiro jogo da decisão paulista, domingo, no Pacaembu, nesta segunda Ganso preferiu falar mais sobre a partida do Mineirão. "Vai ser bom porque o Santos vai mostrar a sua nova geração de garotos. Da minha parte, espero vencer o professor Luxemburgo."

Por fim, o meia não acredita que o time vai enfrentar dificuldades pelo fato de o treinador adversário conhecer os jogadores santistas. "O Atlético é grande e deveremos ter um jogo diferente do primeiro contra o Santo André. Luxemburgo pode conhecer o nosso time, mas quando a bola está em jogo, sempre acontecem coisas diferentes."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.