Paulo Nobre revela que já pensa em renovar com Gilson Kleina

Para o presidente, questão financeira não será problema no processo

Daniel Batista, O Estado de S.Paulo

26 de outubro de 2013 | 20h01

SÃO PAULO - Poucos minutos depois do término da partida que garantiu o acesso antecipado do Palmeiras à Série A, o presidente do clube, Paulo Nobre, apareceu na sala de imprensa para uma entrevista coletiva e finalmente acenar sobre o futuro do técnico Gilson Kleina. O dirigente admitiu que pretende ter uma conversa em breve com ele para dar início ao processo de renovação de contrato, mas ainda não garante o técnico na próxima temporada. "A partir da semana que vem a gente vai conversar com o Gilson Kleina para saber quais são seus planos e a pedida financeira. Queremos entender o que ele pensa para a próxima temporada e o que pensa do elenco."

Faltando pouco mais de dois meses para acabar a temporada, Paulo Nobre ainda não sabe quem vai dirigir a equipe no ano que vem, por isso não descarta a permanência de Gilson Kleina. O treinador não esconde a vontade de ficar e conta com o apoio dos atletas. O técnico faz questão de defender o seu trabalho e garante estar preparado para comandar a equipe em 2014. "Amadureci muito e, se no ano passado aceitei o desafio, é claro que ano que vem eu aceitaria", assegurou. A parte financeira, garante ele, não será determinante para sua permanência. "Em determinados momentos a carreira é muito mais importante do que a ambição financeira".

Além da comissão técnica, há uma incógnita em relação aos reforços. O presidente manteve o discurso de pés no chão e disse não querer iludir a torcida. Por isso, alerta que poucas mudanças devem acontecer e que a chegada de "medalhões" só se dará com ajuda externa. "Depende se vão surgir investidores com jogadores que interessam para nós. Não temos como fazer loucuras e já falei que não seremos refém do ano do centenário".

Paulo Nobre seguiu a mesma postura dos jogadores e da maioria dos torcedores e evitou fazer muita festa pelo acesso, até porque considerou uma obrigação da equipe, mas fez questão de elogiar o elenco. "Esse acesso foi para coroar o nosso elenco brioso. Que seja um adeus e boa sorte para quem fica, mas não quero nunca mais ver o Palmeiras na segunda divisão". Com o time chegando aos 69 pontos, o objetivo passa a ser brigar pelo título. A vice-líder Chapecoense tem 60. Para não depender de outros resultados, basta o time alviverde vencer mais três jogos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.