Sergei Karpukhin/Reuters
Sergei Karpukhin/Reuters

Pavard prevê jogo 'muito complicado' com a Bélgica, mas avisa: 'Não temos medo'

Lateral acredita que este será o maior desafio da seleção da França na competição até aqui

Glauco de Pierri, enviado especial/Moscou, O Estado de S.Paulo

08 Julho 2018 | 07h50

O lateral-direito francês Benjamin Pavard afirmou que a sua seleção não teme mais ninguém na Copa do Mundo da Rússia. Após eliminar Argentina e Uruguai, agora a França vai encarar a Bélgica, na semifinal do Mundial. O jogo será na terça-feira, às 15h (horário de Brasília), em São Petersburgo.

+ À espera de semifinal, Inglaterra troca treino com bola por sessão de yoga

+ Giroud minimiza jejum de gols pela França: 'Se eu for campeão, está ótimo'

+ Lovren exalta 'força mental' da Croácia, mas alerta para ingleses: 'São geniais'

"Sabemos que a Bélgica é uma ótima equipe, com ótimos atacantes. Mas não é uma pressão particular. Já jogamos contra Messi, contra Suárez. Não temos medo de ninguém. Vamos trabalhar com os analistas de vídeo para saber como pará-los", disse neste domingo.

Pavard acredita que a partida contra os belgas será a mais complicada até agora na luta pelo título. "Com certeza, a Bélgica tem agressividade, tem grandes jogadores. Será muito complicado. Mas temos consciência de nossa qualidade. Temos um grupo excepcional, com qualidades diferentes. Mas repito: não temos medo de ninguém."

O lateral-direito ainda foi questionado sobre a falta de gols do atacante Olivier Giroud, que também estava na coletiva. Ele disse que o colega é "um grande jogador, que ama a França e que sempre deixa o campo com a camisa cheia de suor".

 

Ele também falou sobre o goleiro Hugo Lloris, criticado por parte da imprensa francesa antes do Mundial e que foi um dos responsáveis pela vitória nas quartas sobre o Uruguai. "Lloris é um goleiro excelente e um líder dentro e fora do campo. Nós nunca hesitamos porque ele sempre nos mostrou que é um grande goleiro", afirmou.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.