Paysandu contra 16 e promete mais

Coisa inédita no futebol paraense: o Paysandu contratou, de uma só vez, 16 jogadores e pode chegar a 20. A exigente e fanática torcida do clube, porém, anda desconfiada da qualidade técnica da maioria dos reforços. A maioria foi recomendada pelo treinador Heron Ferreira. O presidente Arthur Tourinho anunciou que os contratados estão dentro da realidade do clube e da folha salarial, que foi reduzida de R$ 450 mil para R$ 300 mil mensais. "A nossa política, agora, é pagar o maior salário em R$ 20 mil", disse Tourinho. Foram contratados os zagueiros Alex Pinho, Flávio, Flávio Tanajura e Rodrigo; os laterais direito Moura e Rogério Souza; os volantes Bironga, Alex Sandro, Tácio e Fabinho; os armadores Bebeto Campos e Douglas Silva; os meias Chiquinho e Arinelson e os atacantes Maurílio e Marcelo Sander. O goleiro Bosco, anunciado como novo reforço do Papão da Curuzu, preferiu continuar no Sport de Recife. Segundo Tourinho, o atacante Selmir, do Figueirense, e o meia Rico, do São Paulo, também estão acertando sua transferência para o Paysandu. O goleiro Luciano, do São Caetano, poderá também vestir a camisa azul e branco do clube paraense. Do elenco passado, ficarão na Curuzu os goleiros Ronaldo e Alexandre Fávaro, o meia Jobson, os laterais esquerdos Luiz Fernando e Souza, e o atacante Zé Augusto. O volante Vanderson, último jogador do clube a ser negociado, assinou hoje contrato com o Atlético Paranaense. O armador Sandro, pretendido pelo Boca Juniors, da Argentina, se até a próxima semana não definir sua transferência permanecerá no Paysandu. Nesse caso, ganhará aumento de salário.

Agencia Estado,

06 de janeiro de 2004 | 16h31

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.