Paysandu só descansa para a final

Preocupado com o desgaste do time no jogo contra o Palmeiras e a apenas dois dias da primeira partida contra o Cruzeiro, valendo o título da Copa dos Campeões, além de uma vaga brasileira na Taça Libertadores da América, o técnico Givanildo Oliveira decidiu poupar os jogadores do Paysandu de maior esforço físico para evitar contusões na reta final da competição. O meia Welber, contundido numa das vértebras contra o Verdão, e o atacante Jajá, que ainda se recupera de um estiramento na coxa, passaram hoje por uma revisão médica. Os dois, assim como o restante do elenco, descansarão até o dia do jogo. Eles devem passar por sessões de massagem e relaxamento na piscina do hotel onde o Papão está hospedado. Apenas um leve treino com bola será realizado, amanhã à tarde, no Estádio da Curuzu. Segundo Givanildo, a ordem é trabalhar o mínimo possível. "O preparo físico da equipe está bom e a prova disso é que sempre no segundo tempo, depois de sair em desvantagem contra o Bahia e o Palmeiras, viramos o jogo" , avaliou o bicolor. Para o meio-campista Sandro, que tem sido o pulmão do time nos jogos decisivos, o Paysandu não pode mais ser considerado um "azarão" na Copa dos Campeões, como chegaram a definir alguns comentaristas de TV do sul do país. "Estamos na final porque merecemos, não foi por obra do acaso". O volante Rogerinho vai mais longe. Embora garanta que o time não perdeu a humildade e nem o respeito pelo Cruzeiro, profetiza: "nós seremos campeões".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.